sicnot

Perfil

Economia

Lesados do BES reúnem-se hoje com representante do Ministério das Finanças

Lusa

O grupo de trabalho que negociou uma solução para os lesados do papel comercial do BES reúne-se hoje, no Banco de Portugal, com um representante do Ministério das Finanças.

O encontro está marcado para as 10:00 (hora de Lisboa),e uma fonte da associação que representa os clientes lesados limitou-se a dizer à Lusa que está "confiante de que o promotor das conversações [o Governo] dê o 'sim' [à solução], para o bem do sistema financeiro".

Em causa estão os cerca de 2.000 clientes de retalho que investiram 432 milhões de euros em papel comercial das empresas Espírito Santo International e Rioforte, do Grupo Espírito Santo (GES), vendidos aos balcões do BES, e que foram dados como perdidos com a queda do banco e do grupo, em 2014.

Desde o início do ano que o primeiro-ministro, António Costa, se empenhou pessoalmente numa solução para estes clientes, justificando com a necessidade de estabilizar o sistema financeiro.

Em março foi constituído um grupo de trabalho para se chegar a uma solução, que durante meses negociou o mecanismo de compensação em dezenas de reuniões entre os representantes dos lesados, CMVM e Banco de Portugal, sob mediação do Governo, através do advogado Diogo Lacerda Machado.

A solução, que está já há algumas semanas nas Finanças para ter o aval, passa pela criação de um fundo de indemnização, que irá adiantar o dinheiro aos lesados (que ainda assim irão sofrer perdas), ficando em troca com os direitos judiciais dos processos judiciais que os lesados coloquem contra o Grupo Espírito Santo e os seus administradores.

Será depois esse veículo que irá continuar com a litigância na Justiça e receber eventuais compensações decididas pelos tribunais.

Os emigrantes lesados dos BES manifestam-se amanhã em Lisboa, junto à sede do Novo Banco. A concentração está marcada para as 11:30, na Avenida da Liberdade.


Seguem depois para a sede do Banco de Portugal na Rua do Comércio. Esta associação não aceita a solução comercial proposta pelo Novo Banco que foi aceite por 6 mil clientes emigrantes, que passa pela subscrição de obrigações de longa duração do Novo Banco, com depósitos a prazo condicionados ao valor dessas obrigações.

Com Lusa

  • Queixas sobre comércio online dispararam em 2017

    Economia

    A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) recebeu 1.642 reclamações sobre compras feita pela internet em 2017, numa média de quatro queixas por dia, número que sobe para 8.538 no caso da rede social Portal da Queixa.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52