sicnot

Perfil

Economia

DECO diz que novas regras do IMI aumentam possibilidade de tratamento diferenciado

(SIC/ Arquivo)

A DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor considera que as novas regras aplicadas ao Imposto sobre Imóveis (IMI) podem impedir a poupança e aumentar "a possibilidade de tratamentos diferenciados e de difícil explicação".

Em comunicado, a associação refere que "as novas regras no IMI podem impedir poupança" e "colocam em causa a criação do próprio IMI e a forma de avaliação criada em 2003 que, apesar de tudo, assentava em critérios objetivos expressos na lei".

Ou seja, "estas alterações aumentam a possibilidade de tratamentos diferenciados e de difícil explicação", já que "pode haver diferentes entendimentos sobre o que é uma boa vista ou uma boa localização", pelo que "o contribuinte fica à mercê da vontade política ou económica dos municípios" sobre o imposto a cobrar.

A DECO vai mais longe e aponta que, "no fundo, esta mudança tenta impedir que o contribuinte peça a atualização do imóvel com base no preço do metro quadrado e idade da casa".

De acordo com as novas regras, as casas com boas vistas e serviços próximos podem pagar mais imposto, embora "no cenário inverso a descida não segue a mesma proporção", refere.

"Com as novas regras de cálculo do valor dos imóveis para efeitos fiscais, o valor máximo de majoração aplicado a uma casa com uma boa vista e bons serviços nas proximidades, como escolas, transportes ou farmácias, passou de 0,05 para 0,20. Já a redução para casas em condições opostas, como a ausência de serviços e transportes ou uma vista desagradável, passou de 0,05 para 0,10. Não há proporção no critério para aumentar ou reduzir o imposto", defene a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor.

"A partir de agora, os municípios e as juntas de freguesia (quando estas últimas obtêm receitas de IMI) também podem contestar e solicitar a atualização dos valores patrimoniais das casas dos contribuintes, se não concordarem com o valor encontrado pelo Fisco", salienta a DECO.

"Ou seja, o contribuinte fica sem saber qual o IMI que irá pagar para o ano, pois não sabe se o seu município vai solicitar uma nova avaliação de alguns ou todos os imóveis, por achar, por exemplo, que determinado bairro ou imóvel isolado tem uma vista excelente e/ou ótima exposição solar", alerta.

A DECO recorda que os contribuintes têm até fim do ano para pedir a atualização nas finanças, se verificarem que podem poupar através do simulador da DECO.

As novas regras só se aplicam a imóveis adquiridos ou cujos pedidos de avaliação sejam solicitados a partir de 1 de agosto.

Lusa

  • Novos critérios no cálculo do IMI
    1:24

    Economia

    Os novos critérios para o cálculo do IMI levarão a novos valores a pagar: há mais aumentos do que descidas do imposto. A qualidade ambiental, onde entra a poluição e o barulho, e questões relacionadas com a acessibilidade são alguns dos fatores que podem fazer com que pague menos.

  • O que mudou no IMI
    0:58

    Economia

    Entraram esta terça-feira em vigor as novas regras do IMI. Se ainda não conhece as novas fórmulas de cálculo saiba que se quer ou se tem uma casa com uma boa vista vai pagar mais.

  • Vive perto de um cemitério? Então pode pagar menos IMI
    2:25

    Economia

    As alterações ao cálculo do IMI estão a causar vários sentimentos: estranheza, indignação e, sobretudo, perplexidade. As novas regras já entraram em vigor e dizem uma coisa muito simples: as casas que tenham uma boa exposição solar e uma vista agradável vão pagar mais imposto. Já quem morar em frente a um cemitério ou a uma ETAR, pode pedir uma reavaliação do imóvel para pagar menos de IMI.

  • Governo diz que pretende uniformizar cálculo do IMI
    1:26

    Economia

    O Governo já respondeu às críticas sobre a nova lei do IMI. O secretário de estado dos Assuntos Fiscais garantiu que o objetivo não é aumentar a receita fiscal. Fernando Rocha Andrade diz que a medida vem uniformizar a forma de cálculo que já era praticada também para o comércio e serviços.

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.