sicnot

Perfil

Economia

Economia cresce 0,8% no 2.º trimestre em relação a 2015

A economia portuguesa cresceu 0,2% entre abril e junho, face ao primeiro trimestre deste ano, e avançou 0,8% em termos homólogos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em termos homólogos, a economia desacelerou, face ao crescimento de 0,9% no trimestre anterior.

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais no segundo trimestre, em termos homólogos, "a procura externa líquida passou a ter um contributo ligeiramente positivo, refletindo a desaceleração mais acentuada das importações de bens e serviços em comparação com a das exportações de bens e serviços".

Por sua vez, "o contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do Produto Interno Bruto (PIB) diminuiu significativamente, observando-se um crescimento menos intenso do consumo privado e uma redução mais expressiva do investimento".

Já comparativamente com o primeiro trimestre de 2016, a melhoria do PIB em 0,2% de abril a junho é justificada pelo INE com o contributo positivo da "procura externa líquida, enquanto a procura interna registou um contributo nulo".

O Governo estima um crescimento económico de 1,8%.

Os resultados correntes das Contas Nacionais Trimestrais do segundo trimestre de 2016 serão divulgados pelo INE no dia 31 de agosto.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.