sicnot

Perfil

Economia

Economia cresce 0,8% no 2.º trimestre em relação a 2015

A economia portuguesa cresceu 0,2% entre abril e junho, face ao primeiro trimestre deste ano, e avançou 0,8% em termos homólogos, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em termos homólogos, a economia desacelerou, face ao crescimento de 0,9% no trimestre anterior.

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais no segundo trimestre, em termos homólogos, "a procura externa líquida passou a ter um contributo ligeiramente positivo, refletindo a desaceleração mais acentuada das importações de bens e serviços em comparação com a das exportações de bens e serviços".

Por sua vez, "o contributo positivo da procura interna para a variação homóloga do Produto Interno Bruto (PIB) diminuiu significativamente, observando-se um crescimento menos intenso do consumo privado e uma redução mais expressiva do investimento".

Já comparativamente com o primeiro trimestre de 2016, a melhoria do PIB em 0,2% de abril a junho é justificada pelo INE com o contributo positivo da "procura externa líquida, enquanto a procura interna registou um contributo nulo".

O Governo estima um crescimento económico de 1,8%.

Os resultados correntes das Contas Nacionais Trimestrais do segundo trimestre de 2016 serão divulgados pelo INE no dia 31 de agosto.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.