sicnot

Perfil

Economia

Adenda do BCE admite exceção para acumular funções executivas e não-executivas

O Banco Central Europeu (BCE) publicou, em agosto, uma adenda ao guia de supervisão bancária que permite acumular funções executivas e não-executivas nos bancos, embora só autorize esta combinação em situações excecionais e mediante "medidas corretivas".

Este é o caso de António Domingues, o nome indicado pelo Governo para acumular os cargos de presidente e administrador executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e que teve o aval do BCE.

A adenda ao guia de supervisão bancária do BCE, publicada a 10 de agosto após um processo de consulta pública, incide sobre quatro capítulos que complementam o regulamento já existente (publicado em 24 de março de 2016), incluindo derrogações dos requisitos prudenciais, requisitos de fundos próprios, liquidez e procedimentos de governação e supervisão prudencial.

Neste âmbito, o BCE mantém que "deve haver uma separação clara das funções executivas e não executivas nas instituições de crédito" e que esta deverá ser a norma "a fim de promover o equilíbrio de poderes" e seguir os "princípios de boa governação empresarial".

No entanto, recomenda que, nos casos em que o presidente assuma funções executivas, sejam adotadas medidas para atenuar eventuais efeitos negativos no equilíbrio de poderes da instituição, nomeando, por exemplo, um membro líder do órgão de administração ou um membro independente sénior e integrando mais membros não-executivos naquele órgão.

O BCE adianta que a autorização para combinar as duas funções só será concedida "em casos excecionais" e se forem tomadas "medidas corretivas" para não comprometer as responsabilidades e as obrigações de prestação de contas de ambas as funções".

O regulador bancário europeu considera ainda que a autorização só deve ser concedida "para o período em que persistam as circunstâncias justificativas" e dá um prazo de seis meses ao banco para avaliar se estas se mantêm e informar o BCE.

Para autorizar a acumulação de funções, o BCE analisa os motivos invocados e o impacto sobre o equilíbrio de poderes na estrutura de governação do banco, nomeadamente natureza das atividades, existência de atividades transfronteiriças e número e qualidade dos acionistas.

O BCE aprovou os 11 nomes propostos pelo Governo para o Conselho de Administração da CGD, mas rejeitou outros oito por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades, confirmou na quarta-feira o Ministério das Finanças, sem identificar as pessoas em causa.

Segundo o Jornal de Negócios, os 11 responsáveis aprovados são António Domingues, Emídio Pinheiro, Henrique Cabral Menezes, Tiago Rarava Marques, João Tudela Martins, Paulo Rodrigues da Silva, Pedro Leitão, Rui Vilar (não executivo), Pedro Norton (não executivo), Herbert Walter (não executivo) e Ángel Corcostegui (não executivo).

Já os nomes chumbados são os de Leonor Beleza, Carlos Tavares, Bernardo Trindade, Ângelo Paupério, Rui Ferreira, Paulo Pereira da Silva, António da Costa Silva e Fernando Guedes, todos propostos para administradores não executivos.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.