sicnot

Perfil

Economia

BPN pode custar ainda mais 4 mil milhões de euros ao Estado

O BPN pode vir a custar mais 4 mil milhões de euros ao Estado Português, além dos 5 mil milhões já previstos.

De acordo com o jornal Expresso, no total o prejuízo poderá rondar os 9 mil milhões de euros.

As três sociedades que gerem os ativos do banco estão com capital negativo. A situação mais complicada é na Parvalorem, com 3,7 mil milhões de euros em divida.

Oito anos após a nacionalização e seis anos depois da privatização do BPN, as ondas de choque continuam a fazer mossa no bolso dos contribuintes.

  • BPN já custou mais de 3 mil M€ ao Estado

    Economia

    O BPN já custou mais de 3.200 milhões de euros aos cofres do Estado desde 2011. A estimativa é do Tribunal de Contas. Só no ano passado os custos aumentaram 600 milhões de euros. A fatura não para de crescer. Para este o impacto no Orçamento do Estado deverá rondar os 30 milhões de euros.

  • Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros no BPN
    1:09

    Economia

    Quase oito anos depois nacionalização, o buraco do BPN continua a aumentar. Só este ano o Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros nas sociedades que resultaram da queda do banco. Se o Orçamento do Estado para este ano for concretizado, no final de 2016 os contribuintes já terão gasto mais de três mil milhões de euros com BPN.

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.