sicnot

Perfil

Economia

BPN pode custar ainda mais 4 mil milhões de euros ao Estado

O BPN pode vir a custar mais 4 mil milhões de euros ao Estado Português, além dos 5 mil milhões já previstos.

De acordo com o jornal Expresso, no total o prejuízo poderá rondar os 9 mil milhões de euros.

As três sociedades que gerem os ativos do banco estão com capital negativo. A situação mais complicada é na Parvalorem, com 3,7 mil milhões de euros em divida.

Oito anos após a nacionalização e seis anos depois da privatização do BPN, as ondas de choque continuam a fazer mossa no bolso dos contribuintes.

  • BPN já custou mais de 3 mil M€ ao Estado

    Economia

    O BPN já custou mais de 3.200 milhões de euros aos cofres do Estado desde 2011. A estimativa é do Tribunal de Contas. Só no ano passado os custos aumentaram 600 milhões de euros. A fatura não para de crescer. Para este o impacto no Orçamento do Estado deverá rondar os 30 milhões de euros.

  • Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros no BPN
    1:09

    Economia

    Quase oito anos depois nacionalização, o buraco do BPN continua a aumentar. Só este ano o Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros nas sociedades que resultaram da queda do banco. Se o Orçamento do Estado para este ano for concretizado, no final de 2016 os contribuintes já terão gasto mais de três mil milhões de euros com BPN.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.