sicnot

Perfil

Economia

BPN pode custar ainda mais 4 mil milhões de euros ao Estado

O BPN pode vir a custar mais 4 mil milhões de euros ao Estado Português, além dos 5 mil milhões já previstos.

De acordo com o jornal Expresso, no total o prejuízo poderá rondar os 9 mil milhões de euros.

As três sociedades que gerem os ativos do banco estão com capital negativo. A situação mais complicada é na Parvalorem, com 3,7 mil milhões de euros em divida.

Oito anos após a nacionalização e seis anos depois da privatização do BPN, as ondas de choque continuam a fazer mossa no bolso dos contribuintes.

  • BPN já custou mais de 3 mil M€ ao Estado

    Economia

    O BPN já custou mais de 3.200 milhões de euros aos cofres do Estado desde 2011. A estimativa é do Tribunal de Contas. Só no ano passado os custos aumentaram 600 milhões de euros. A fatura não para de crescer. Para este o impacto no Orçamento do Estado deverá rondar os 30 milhões de euros.

  • Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros no BPN
    1:09

    Economia

    Quase oito anos depois nacionalização, o buraco do BPN continua a aumentar. Só este ano o Governo prevê injetar mais de 560 milhões de euros nas sociedades que resultaram da queda do banco. Se o Orçamento do Estado para este ano for concretizado, no final de 2016 os contribuintes já terão gasto mais de três mil milhões de euros com BPN.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.