sicnot

Perfil

Economia

Marcelo não concorda com alteração da lei bancária por causa da CGD

© Rafael Marchante / Reuters

Marcelo Rebelo de Sousa não vê com bons olhos a intenção do Governo de alterar a lei bancária para poder pôr na administração da Caixa Geral de Depósitos os nomes que escolheu.

Marcelo Rebelo de Sousa está de férias e ainda não se pronunciou sobre o assunto. Contudo, a SIC sabe que já na próxima quinta-feira, o Presidente da República vai estar em Viseu, numa visita à feira de São Mateus, onde tenciona falar sobre a situação da Caixa Geral de Depósitos.

A SIC apurou ainda que Marcelo não concorda com a intenção do Governo de permitir que o fisco tenha acesso às contas bancárias de todos os contribuintes.

Esta é uma medida que a Comissão Nacional de Proteção de Dados já considerou inconstitucional. O próprio Governo já admitiu rever essa intenção.

  • BCE aprovou 11 dos 19 nomes propostos pelo Governo para administração da CGD
    2:46

    Caso CGD

    O Banco Central Europeu aprovou apenas onze dos dezanove nomes inicialmente propostos pelo Governo para a administração da Caixa Geral de Depósitos. Para já, oito administradores não executivos ficam pelo caminho. Três dos nomes aprovados vão ter ainda formação. António Domingues foi aceite como presidente, mas só vai poder acumular funções no conselho de administração e na comissão executiva durante os primeiros seis meses.

  • Catarina Martins diz-se arrependida com a "criação da geringonça"
    2:25

    País

    Catarina Martins diz que todos os dias se arrepende da "criação da geringonça". Em entrevista ao jornal Público, a coordenadora do Bloco de Esquerda diz no entanto que vai lutar contra as limitações, enquanto os objetivos traçados forem sendo cumpridos. Já ontem, a líder do Bloco de Esquerda tinha avisado o Governo que o partido está contra qualquer alteração legislativa para servir interesses, na administração da Caixa Geral de Depósitos.

  • Mais de 1600 fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado fez mais de 1600 ações de fiscalização a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público. Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.