sicnot

Perfil

Economia

Casais com ambos os cônjuges inscritos nos centros de emprego aumentam em julho

O número de casais em que ambos os cônjuges estão inscritos nos centros de emprego atingiu os 10.521 em julho, um aumento de 1,1% face ao período homólogo de 2015, segundo o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

De acordo os dados de julho, disponíveis na página do IEFP na internet, do total de desempregados casados ou em união de facto, 21.042 (9,7%) tem registo de que o seu cônjuge está igualmente inscrito como desempregado no serviço de emprego, mais 111 casais do que um ano antes.

Apesar do crescimento em relação ao período homólogo de 2015, o número de casais em que os dois cônjuges estão desempregados diminuiu em 3,3% (menos 360 casais) em relação ao mês anterior, tendência que se verifica há quatro meses consecutivos.

Dos 466.741 desempregados registados nos centros de emprego do continente, 46,6% eram casados ou viviam em união de facto, perfazendo um total de 217.705 pessoas, menos 9% do que no período homólogo de 2015.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras