sicnot

Perfil

Economia

ADSE gastou mais 0,64 % com saúde no 1º semestre do ano

A Direção-Geral de Proteção Social dos Trabalhadores em Funções Públicas gastou no primeiro semestre deste ano 237,3 milhões de euros com os cuidados de saúde, o que corresponde a mais 0,64% que no mesmo período de 2015.

De acordo com o relatório da atividade do primeiro semestre deste ano da Direção-Geral de Proteção Social dos Trabalhadores em Funções Públicas (ADSE), a que a agência Lusa teve acesso, as despesas de financiamento dos cuidados de saúde representam, obviamente, a maioria da despesa total da ADSE que foi de 241.279.121 euros nos primeiros seis meses de 2016, o que representa um aumento de 0,70% face ao mesmo período de 2015.

Das despesas com saúde, 186,8 milhões de euros financiaram o regime convencionado e 64,4 milhões de euros financiaram cuidados de saúde em regime livre. As despesa com saúde no estrangeiro custaram à ADSE 11.196 euros,

Entre as despesas totais da ADSE estão também as despesas de funcionamento, que aumentaram 4,06%, para 3.955.759 euros.

Este acréscimo é justificado no relatório por um aumento de cerca de 115 mil euros nos encargos com pessoal e administração, mais 3,3%, devido ao início da reposição salarial na função pública e ao aumento do número de trabalhadores que estão ao serviço da ADSE, que passou de 165 para 204 entre o primeiro semestre de 2015 e o primeiro semestre de 2016.

Os encargos com a verificação de doença aumentaram 38 mil euros, mais 12,98%, que no período homólogo do ano passado, porque houve um acréscimo de 14% no número de juntas médias realizadas.

A ADSE obteve receitas no valor de 303.156.322 euros no primeiro semestre de 2016, o que representa um crescimento de 2,35% (mais 6,9 milhões de euros), face a 2015, apesar da redução de 1,29% no número de beneficiários titulares do sistema.

Nos primeiros seis meses deste ano o número de beneficiários titulares era de 836.317, o que corresponde a menos 10.964 contribuintes que no mesmo semestre do ano passado.

O número de beneficiários titulares da ADSE tem vindo a cair gradualmente desde 2012, ano em que eram 880.896.

Segundo o relatório, esta redução deve-se às rescisões por mútuo acordo na função pública, à regularização informática dos óbitos e dos cônjuges que perderam o direito à assistência, à não renovação de contratos laborais e aos pedidos de renúncia à ADSE, para evitar o desconto.

Os pedidos de renúncia são considerados no documento como um valor marginal dado que o seu total foi de 393 no primeiro semestre deste ano, face aos 1.265 registados no período homólogo do ano passado.

No primeiro semestre de 2016, o desconto médio por trabalhador para a ADSE foi de 338 euros, quando a remuneração média mensal foi de 1.381 euros.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57