sicnot

Perfil

Economia

Autoeuropa de Palmela vai laborar com um turno diário a partir de 2.ª feira

A fábrica da Volkswagen Autoeuropa, em Palmela, vai reduzir a sua laboração a partir de segunda-feira para apenas um turno diário e passar a produzir 353 carros por dia, disse esta terça-feira fonte oficial da empresa.

"A partir de segunda-feira (dia 29 de agosto) vamos arrancar (apenas) com um turno diário na fábrica da Volkswagen Autoeuropa e produzir 353 carros por dia", afirmou à agência Lusa a mesma fonte.

No final de maio, em comunicado, a Autoeuropa referia que o volume de encomendas previsto desde o início do ano representava "uma redução de 19% face ao ano anterior, concentrada no segundo semestre".

Na mesma nota, a empresa dizia que a Comissão de Trabalhadores (CT) e a administração da Volkswagen Autoeuropa tinham concordado em reduzir a laboração da fábrica de Palmela para apenas um turno diário, a partir de setembro, e que o acordo com os trabalhadores tinha sido alcançado a 24 de maio.

"O modelo encontrado prevê a redução do volume diário e a respetiva produção num único turno a partir de setembro, sem dias de paragem coletiva adicionais. Possibilita também a gestão individual do tempo de trabalho e a continuação dos programas de qualificação e de mobilidade internacional em outras fábricas do grupo Volkswagen", salientava.

A administração da Autoeuropa afirmava-se confiante de que esta solução "permitirá a manutenção do emprego e do rendimento dos colaboradores, sem colocar em causa a produtividade da unidade de Palmela".

A CT da Autoeuropa, que deu parecer favorável à proposta da administração, considerou que o novo acordo salvaguarda os interesses dos trabalhadores.

"Está salvaguardada a situação de alguns casais que tinham horários diferentes por razões familiares. Os trabalhadores que recebiam subsídio de turno também não perdem rendimento, uma vez que serão compensados com o trabalho extraordinário que será necessário fazer para dar resposta às encomendas feitas à fábrica de Palmela", disse na ocasião o coordenador da CT da Autoeuropa, António Chora.

"Acreditamos que a redução para um turno é uma situação transitória e que o futuro está ao nosso alcance. Queremos também mostrar à casa-mãe que sabemos adaptar-nos às circunstâncias", acrescentou o representante dos trabalhadores da Autoeuropa.

Segundo António Chora, apesar da redução para apenas um turno a partir de setembro, tudo indica que, num futuro próximo, com a produção de um novo modelo, a fábrica de Palmela "vai deixar de ser uma fábrica de nicho para produzir produtos de grande consumo".

A administração da Autoeuropa, que também considera a situação atual como um momento de transição para o crescimento a partir do segundo semestre de 2017, disse estar em contacto com os seus fornecedores, para tentar "minimizar o impacto desta alteração no seu funcionamento".

Lusa

  • Turistas chegam a esperar 2 horas no controlo de passaporte do Aeroporto de Lisboa
    2:35

    País

    Chegar ao Aeroporto de Lisboa pode ser uma dor de cabeça para centenas de passageiros. A espera para o controlo de passaporte chegou a ultrapassar as duas horas nos meses de fevereiro e março. Manuela Niza, do Sindicato dos Funcionários do Serviços de Estrangeiros e Fronteiras, diz que têm sido contratados inspetores que depois são desviados para outros serviços.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • "Dinheiro gasto em contentores dava para construir outro hospital" no Porto
    1:40

    País

    A bastonária dos Enfermeiros pede uma investigação aos contratos de contentores no Hospital de São João, no Porto. Ana Rita Cavaco diz que os "milhares de euros" já gastos na contratação e manutenção dos contentores da Pediatria e outros serviços do centro Hospitalar de São João davam para construir um novo hospital. E levanta ainda a suspeita sobre a empresa contratada.