sicnot

Perfil

Economia

Guardas florestais anunciam greve contra extinção de carreira

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais anuncia hoje a data e local da ação de luta dos guardas-florestais contra a extinção da carreira e pela exigência de suplementos remuneratórios.

Luís Pesca, da Federação, avançou na quinta-feira à agência Lusa que a greve foi a forma de luta escolhida para enfrentar a recusa do Governo em aceitar as reivindicações dos guardas, o que "contrasta com as afanosas declarações em defesa da floresta e da prevenção dos incêndios florestais, quer do primeiro-ministro, quer de outros membros do governo, nos últimos dias".

Numa conferência de imprensa marcada para hoje, em Lisboa, os guardas florestais do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), da GNR, vão apresentar os termos, data e local da greve contra a extinção da carreira e pela atribuição de suplementos remuneratórios relacionados com as condições específicas do seu trabalho.

Os sindicatos salientam que, numa reunião realizada na quarta-feira, "o Governo PS recusou negociar com a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais a reversão do processo de extinção da carreira de guarda-florestal e a atribuição de suplementos remuneratórios decorrentes das suas funções e condições específicas de trabalho".

No encontro, segundo a federação, o secretário de Estado da Administração Interna também recusou a resolução de questões relacionadas com a carreira de guarda-florestal.

"Insistir no erro da extinção da carreira de guarda-florestal, não é defender a floresta, e o Governo insiste neste erro, como insiste em manter [estes profissionais] numa situação de subvalorização no SEPNA/GNR", salienta a Federação.

Para a estrutura sindical, "é por demais evidente que, neste serviço, são os elementos desta carreira que asseguram competentemente as funções de policiamento e fiscalização do cumprimento da legislação florestal, da caça e da pesca e garantem a investigação das causas dos incêndios florestais e a criteriosa validação das áreas ardidas e dos danos na floresta".

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.