sicnot

Perfil

Economia

Produtores de leite e carne em marcha lenta para exigirem melhores preços

Os produtores de leite e carne marcaram para hoje uma marcha lenta de tratores entre Ovar e Estarreja, no distrito de Aveiro, para exigirem melhores preços e a reposição do regime de quotas leiteiras.

Organizada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e pela Associação Portuguesa de Produtores de Leite e Carne (APPLC), esta ação inclui uma concentração junto a três hipermercados em Estarreja.

Desta forma, os agricultores pretendem alertar para "a ditadura comercial que as grandes superfícies exercem", disse à Lusa João Dinis, da Direção da CNA, que acusa os hipermercados de "esmagarem" os preços do leite e da carne.

O dirigente diz mesmo que os produtores de leite "estão a ter prejuízo para continuar a produzir", referindo que este setor está a atravessar uma "grande crise", desde o fim das quotas leiteiras na União Europeia, em 2015.

Por isso, João Dinis defende a retoma do mecanismo público do controlo da produção, vincando que o Governo deve bater-se por "um debate forte" sobre esta matéria ao nível da Comissão Europeia.

Segundo a organização, os tratores vão sair de Válega (Ovar) e de Estarreja, pelas 10:30, estando a primeira concentração conjunta marcada para as 11:30 em frente aos hipermercados, ao lado da EN 109, em Estarreja.

Os manifestantes vão dirigir-se depois para a Câmara de Estarreja, onde esperam ser recebidos pelo presidente da autarquia.

Lusa

  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28