sicnot

Perfil

Economia

Terrorismo provoca queda de 7% no número de turistas em França

© Pascal Rossignol / Reuters

O número de turistas estrangeiros em França caiu 7% desde o início deste ano, devido aos ataques terroristas, mas também a condições meteorológicas desfavoráveis e ao impacto das greves, anunciou esta terça-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault.

A perceção da situação de segurança no país, entre os potenciais visitantes com rendimentos mais elevados, e as dificuldades económicas de países como a Rússia e o Brasil, influenciaram essa queda, precisou o chefe da diplomacia francesa, numa viagem de trabalho no Vale do Loire, a sul de Paris.

Na região da capital, durante o primeiro semestre, o número de turistas que ficaram alojados em hotéis caiu 6,4%, para 14,9 milhões, menos um milhão que nos seis primeiros meses de 2015.

Ayrault adiantou que no princípio de setembro reunirá uma "comissão de emergência económica" centrada no turismo e, especialmente, nas regiões mais afetadas por essa quebra no turismo.

O setor, segundo números divulgados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, gera entre 7% e 8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país e representa cerca de dois milhões de empregos diretos e indiretos.

O ministro francês salientou igualmente que decidiu mobilizar 500.000 euros adicionais para o plano destinado a relançar França como destino turístico, que se somam ao milhão facultado em março para tentar compensar os efeitos dos atentados jihadistas.

De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, esperam-se este ano, no total, cerca de 80 milhões de turistas estrangeiros, o que manterá França como primeiro destino turístico do mundo, e, segundo Ayrault, o objetivo é alcançar em 2020 os 100 milhões anuais.

Lusa

  • França tem uma guerra para travar contra o Daesh
    3:09

    Mundo

    Nunca a ameaça terrorista islâmica à Europa foi tão grande. Estas são as palavras de François Hollande, que se deslocou à Normandia, onde dois homens armados invadiram uma igreja e mataram um padre. O Presidente francês admitiu que o Daesh declarou uma guerra e afirma que esta tem de ser vencida através de quaisquer meios. Contudo, lembra que os meios têm de ser dentro da lei, uma vez que é isso que faz uma democracia. Já o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy afirma que a alma de França foi atingida e insiste em medidas urgentes. O Papa Francisco reagiu logo após o atentado, condenando radicalmente o "ataque bárbaro".

  • França abre caminho para a criação de uma guarda nacional
    2:28

    Mundo

    A França vai reforçar a segurança com voluntários civis e reservistas. François Hollande diz que o país está a abrir caminho para criar uma guarda nacional. O país foi alvo de três ataques em apenas um ano e o Presidente francês pede o empenho de todos no combate ao terrorismo.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.