sicnot

Perfil

Economia

Volkswagen anuncia acordo com fornecedores e retoma da produção nas fábricas

​O fabricante automóvel alemão Volkswagen anunciou hoje ter chegado a acordo com os fornecedores para a retoma do abastecimento de componentes, o que permitirá às fábricas afetadas pela falta de peças "reiniciar paulatinamente a produção".

Segundo noticia a agência espanhola EFE, as partes deliberaram, contudo, não divulgar pormenores sobre o acordo.

Um conflito com dois fornecedores (Car Trim e Es Automobil Guss, filiais da Prevent e que fabricam forras para assentos e componentes para motores) levou a Volkswagen (VW) a interromper parte da sua produção e a reduzir o tempo de trabalho de cerca de 28.000 dos seus trabalhadores na Alemanha.

No sábado, a construtora automóvel tinha interrompido a produção do modelo Golf na unidade de Wolfsburgo (Norte do país) por causa do conflito com as empresas fornecedoras que se recusam a enviar alguns componentes e admitiu fazer o mesmo noutras fábricas alemãs.

O Governo alemão exigiu à VW e a dois dos fornecedores de componentes que chegassem rapidamente a um acordo.

As empresas fornecedoras recusavam-se a entregar os componentes e acusavam a VW de abuso de poder ao rescindir contratos sem motivo e sem aviso prévio, na sequência da crise gerada pela manipulação das emissões de gases poluentes.

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.