sicnot

Perfil

Economia

Prejuízo do Montepio mais que duplica no 1º semestre do ano

A Caixa Económica Montepio Geral (CEMG) registou um resultado líquido negativo de 67,6 milhões de euros entre janeiro e junho, mais do dobro face ao prejuízo de 28,9 milhões de euros no período homólogo de 2015.

"Excluindo os fatores não recorrentes, o resultado líquido foi positivo em 22,5 milhões de euros", destacou à Lusa José Félix Morgado, presidente do banco mutualista, especificando que estão em causa impactos específicos líquidos de 90,1 milhões de euros.

Desde logo, os custos de reestruturação com o processo de racionalização da estrutura operativa ascenderam a 32 milhões de euros.

"O processo de racionalização está fechado e os custos finais contabilizados nas contas do primeiro semestre", sublinhou o gestor, destacando que estes custos não se vão repetir no segundo semestre do ano.

Depois, o resultado semestral do Montepio reflete "os impactos transversais ao setor", segundo Félix Morgado, apontando para as contribuições sobre o setor bancário, para o Fundo Único de Resolução e para o Fundo de Resolução Nacional, que totalizaram 26,4 milhões de euros, contra os 12,9 milhões de euros no primeiro semestre de 2015.

O banco mutualista sentiu também o impacto em "investimentos financeiros específicos" no montante de 52,2 milhões de euros, entre os quais é considerada a desvalorização de ativos financeiros do setor das telecomunicações, nomeadamente, da operadora brasileira Oi. A este valor soma-se o efeito fiscal de 20,5 milhões de euros.

"Descontando os efeitos não recorrentes, há uma evolução positiva, como prova a subida da margem financeira (1% para 127,3 milhões de euros), das comissões líquidas (0,35 para 49,3 milhões de euros), e a redução dos custos operacionais", salientou Félix Morgado.

"A margem financeira registou um crescimento homólogo de 1,0%, tendo atingido 127,3 milhões de euros, para a qual contribuiu a aplicação de uma rigorosa política de 'repricing' e a redução da dívida emitida ao ser substituída por fontes de financiamento menos onerosas", justificou o Montepio no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Segundo a entidade, "estes sinais positivos foram confirmados no 2.º trimestre do ano, onde a margem financeira atingiu 66,7 milhões de euros, o que representa uma subida de 9,9% face ao trimestre anterior".

O Montepio destacou ainda que "estes crescimentos são registados num contexto de taxas de juro historicamente baixas, o qual continua a condicionar a performance da intermediação financeira".

Já os custos operacionais do 1.º semestre de 2016, excluindo custos com o processo de racionalização da estrutura operativa, apresentaram uma redução homóloga de 5,5%, tendo atingido 163,9 milhões de euros, para a qual contribuiu a diminuição de 4,5% ao nível da atividade doméstica.

Félix Morgado destacou também a confortável "posição de liquidez" e o reforço do rácio 'common equity tier 1' (CET1) de 8,8% em dezembro de 2015 para 10,3% (segundo os critérios de transição para as novas regras europeias) e de 6,7% para 8,3% com a total implementação das novas regras.

E apontou também para o crescimento de 1,9% dos depósitos.

"Os depósitos de clientes, com um crescimento expressivo de 236,4 milhões de euros no 2.º trimestre de 2016 (+1,9% e -2,2%, face a 31 de dezembro de 2015), mantiveram-se como a principal fonte de 'funding' [financiamento], passando a representar 59,3% do total das fontes de financiamento", informou o banco.

Além disso, "confirmou-se a consolidação da base de depósitos de clientes particulares, com o segmento empresarial e de institucionais a registar um crescimento significativo de 8,5% face ao trimestre anterior".

No que toca à rede de distribuição doméstica, nos últimos doze meses (entre junho de 2015 e junho de 2016), o Montepio reduziu o número de colaboradores em 259 pessoas para 3.647 e fechou 104 agências para 332.

Lusa

  • Carlos César admite diálogo "mais fácil" com PSD de Rio
    1:36

    País

    O presidente e líder parlamentar do PSD diz que o partido não precisa de novos aliados, mas acredita que vai ser mais fácil dialogar com o PSD liderado por Rui Rio, Carlos César visitou esta segunda-feira as regiões afetadas pelos incêndios do ano passado, no primeiro dia das jornadas parlamentares dos socialistas.

  • 22 mortos devido a gripe H1N1 no Equador

    Mundo

    Uma epidemia de gripe H1N1 provocou a morte de 22 pessoas no Equador, onde estão diagnosticados perto de 500 casos, anunciou esta segunda-feira o vice-ministro da Saúde, Carlos Duran.

  • Benfica é o único clube português na lista dos mais ricos
    1:34
  • Papa pede perdão a vítimas de abusos por ter usado expressão "menos feliz"
    1:21

    Mundo

    No final da visita à América Latina, já no avião de regresso a Roma, o Papa Francisco pediu desculpa às vítimas de abusos sexuais no Chile. O líder da Igreja católica considerou que utilzou uma expressão menos "feliz" quando saiu em defesa do bispo Juan Barros, exigindo "provas" a quem o acusa de não ter agido.

  • Os três pontos de Ronaldo
    1:16
  • Decifrado pergaminho encontrado há 50 anos

    Mundo

    Investigadores israelitas reconstituíram e decifraram um dos dois manuscritos de pergaminhos do Mar Morto que nunca tinham sido interpretados desde que foram descobertos há meio século, anunciou a universidade israelita de Haifa.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC