sicnot

Perfil

Economia

"A União Europeia é um projeto falhado"

O conselheiro de Estado Francisco Louçã considerou este sábado que "a União Europeia é um projeto falhado" porque "representa o contrário do que prometeu", com o único argumento do poder de que é "preferível ser temido do que ser amado".

Francisco Louçã foi este sábado orador de um dos painéis de debate do fórum Socialismo 2016, a 'rentrée' política do BE que decorre até domingo em Santa Maria da Feira, distrito de Aveiro, numa preleção onde cruzou o pensamento do historiador italiano Nicolau Maquiavel com excertos da série "Guerra dos Tronos" para refletir sobre a luta do poder na Europa.

"A União Europeia é um projeto falhado. Não pode representar aquilo que promete e o que representa é o contrário do que prometeu. Prometia convergência e tem divergência. Prometia melhoria social e tem, pelo contrário, a degradação das condições de vida das classes populares", afirmou.

Para o antigo coordenador do BE, "a saída é sempre imperativa para que haja uma alternativa em que se possa recuperar soberania, decisão, democracia, capacidade do povo poder fazer escolhas".

O conselheiro de Estado perguntou, tal como na "Guerra dos Tornos", "se a exibição do poder é suficiente para manter o poder", considerando que a resposta é Maquiavel porque "hoje a Europa só pode garantir a exibição do poder" usando o argumento de que "é preferível ser temido do que ser amado".

"Aquilo que é legítimo já não é soberano. A democracia não pode decidir sobre o que tinha de decidir", lamentou, considerando

Louçã critica que a União Europeia seja "uma máquina de austeridade, privatizações, de pressão e de destruição em permanência", na qual "a burguesia financeira é o centro da estrutura do poder do capital porque é o centro da acumulação do capital".

"Em alguma medida não precisávamos que o Durão Barroso fizesse o favor de nos lembrar disso ao passar da Comissão Europeia para presidente da Goldman Sachs, mas isso é mais um dos elementos de gratidão que nós temos em relação a ele: é dizer-nos que o poder político está no bolso do poder financeiro e o poder financeiro não se esquece dos seus", ironizou.

O antigo coordenador bloquista evidenciou que "quanto pior a Europa é", mais é dito: "aguenta, aguenta porque isto vai-se corrigir".

"Nós ficamos com pena suspensa porque não há sanções agora. Que bom que é, então eles estão-nos a entender", disse, avisando que "este discurso é muito perigoso" uma vez que é dito que nada seja feito que "incomode os poderosos".

Com Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.