sicnot

Perfil

Economia

Património do PCP não se deve "a favores do Estado"

O secretário-geral do PCP enalteceu este sábado, no espaço da Festa do Avante!, a forma como o partido obteve o seu património, graças a contribuições de militantes e amigos e não devido a "favores do Estado" ou de "grupos económico-financeiros".

"Quando hoje alguns registam que o PCP tem um património significativo, omitem sempre como é que foi alcançado: não tivemos favores do Estado, nem de nenhum grupo económico-financeiro. Foi a contribuição de militantes e amigos do partido, de muitos democratas e amigos da festa", disse Jerónimo de Sousa numa ação junto dos muitos voluntários que preparam o espaço que acolherá a Festa do Avante!, a 2, 3 e 4 de setembro.

O dirigente comunista sublinhou que estas contribuições dos militantes e amigos do PCP "têm a garantia da regra de ouro" dos comunistas: "tais contribuições não são para beneficiar nem militantes, nem eleitos, nem dirigentes. São, no respeito pelo princípio ético que conquistamos na política, não para nos servirmos a nós próprios, mas para servir os trabalhadores e o povo português".

Presentes no local, várias centenas de voluntários, militantes, membros da Juventude Comunista e simpatizantes interromperam várias vezes o discurso de Jerónimo de Sousa com gritos de "Assim se vê, a força do PC".

Jerónimo de Sousa agradeceu a todos os que participam nos trabalhos da Festa do Avante!, em especial aos "construtores e aos que organizam, arquitetam, projetam e divulgam" a "maior festa da juventude" em Portugal.

"Este ano comemoramos o 40º aniversário da Festa do Avante! Uma Festa maior e melhor, com a aquisição da Quinta do Cabo", recordou Jerónimo de Sousa, acrescentando que essa aquisição resultou de uma "audaciosa campanha de fundos, num tempo em que os trabalhadores e o povo eram fustigados nos seus salários, nos seus rendimentos e nos seus direitos".

A integração da Quinta do Cabo nos terrenos tradicionais da Festa do Avante!, recordou o secretário-geral do PCP, implicou não só "a preparação do terreno", como também "movimentação de terras, uma nova vedação, uma nova entrada para a Festa".

"Colocaram-se de raiz todas as infraestruturas de energia, iluminação pública, de água, de esgotos, de comunicações. Construímos novos arruamentos, colocando lancis a pulso, plantámos novas árvores, preparamos o espaço para a colocação das organizações e espaços centrais, construímos o novo espaço criança. De ano para ano teremos uma Festa melhor", sublinhou o dirigente.

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC