sicnot

Perfil

Economia

China fecha fábricas e ordena férias obrigatórias antes de cimeira do G20

© Aly Song / Reuters

As autoridades chinesas encerraram fábricas e ordenaram férias obrigatórias para os trabalhadores antes da realização, a 4 e 5 de setembro, de uma cimeira de líderes do G20, o grupo que reúne 20 potências económicas, na China.

O município de Hangzhou ordenou o encerramento para férias dos estabelecimentos da baixa da cidade de 1 a 07 de setembro, de acordo com informação veiculada numa conta oficial nas redes sociais.

As autarquias encorajaram também os cidadãos a gozarem as suas férias fora da cidade, na esperança de reduzir o congestionamento do trânsito.

A cidade passou meses a preparar-se para a cimeira e sofreu uma profunda remodelação, numa tentativa de tornar a circulação mais eficiente.

Juntamente com as férias compulsivas, alguns tipos de fábricas num raio de 300 quilómetros de Hangzhou foram obrigadas a encerrar durante 12 dias, para garantir que o céu estará azul durante a presença dos dignitários visitantes, de acordo com páginas oficiais na Internet.

A ordem abrange as unidades de produção de químicos, materiais de construção e manufatura de têxteis que se estendem de Xangai a outras quatro províncias.

A China dá frequentemente ordens de encerramento generalizado das fábricas para limpar os céus cronicamente poluídos da maioria das principais cidades.

A última vez que tal aconteceu foi no ano passado, por ocasião de uma grande parada militar para assinalar o aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial.

A atmosfera limpa foi batizada como "azul parada" pelos cidadãos chineses, fazendo eco do "azul APEC" que puderam apreciar em 2014, antes da cimeira do grupo de Cooperação Económica Ásia-Pacífico em Pequim.

Na altura, os comentadores online desvalorizaram a tonalidade de azul, classificando-a como "algo que é belo mas fugaz e, em última análise, artificial".

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.