sicnot

Perfil

Economia

Taxas de desemprego na zona euro e UE registam novos mínimos em julho

A taxa de desemprego na zona euro baixou, em julho, para 10,1%, sendo a menor registada desde julho de 2011 e a da União Europeia recuou para 8,6%, a mais baixa desde março de 2009, divulga hoje o Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE), na zona euro, a taxa de desemprego manteve-se estável na comparação com junho e desceu 0,7 pontos percentuais em termos homólogos, para os 10,1%, o valor mínimo desde julho de 2011.

Já no que respeita ao conjunto dos 28 Estados-membros, a taxa de desemprego estabilizou na variação em cadeia e desceu 0,8 pontos na comparação com julho de 2015, ficando nos 8,6%, a menor desde março de 2009.

Em julho, as menores taxas de desemprego foram registadas em Malta (3,9%), República Checa e Alemanha (4,2% cada), enquanto as mais elevadas se observaram na Grécia (23,5% em maio) e em Espanha (19,6%).

No que respeita ao desemprego jovem, a zona euro registou, em julho, uma taxa de 21,1% (face aos 22,1% homólogos) e a UE uma taxa de 18,8% (que compara com os 20,2% de julho de 2015).

As menores taxas de desemprego jovem observaram-se em Malta (7,1%) e na Alemanha (7,2%), enquanto as mais elevadas se registaram na Grécia (50,3% em maio), em Espanha (43,9%) e Itália (39,2%).

Em Portugal, a taxa de desemprego foi de 11,1% e a de desemprego jovem de 26,3%, em julho.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras