sicnot

Perfil

Economia

Taxas de desemprego na zona euro e UE registam novos mínimos em julho

A taxa de desemprego na zona euro baixou, em julho, para 10,1%, sendo a menor registada desde julho de 2011 e a da União Europeia recuou para 8,6%, a mais baixa desde março de 2009, divulga hoje o Eurostat.

De acordo com os dados do gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE), na zona euro, a taxa de desemprego manteve-se estável na comparação com junho e desceu 0,7 pontos percentuais em termos homólogos, para os 10,1%, o valor mínimo desde julho de 2011.

Já no que respeita ao conjunto dos 28 Estados-membros, a taxa de desemprego estabilizou na variação em cadeia e desceu 0,8 pontos na comparação com julho de 2015, ficando nos 8,6%, a menor desde março de 2009.

Em julho, as menores taxas de desemprego foram registadas em Malta (3,9%), República Checa e Alemanha (4,2% cada), enquanto as mais elevadas se observaram na Grécia (23,5% em maio) e em Espanha (19,6%).

No que respeita ao desemprego jovem, a zona euro registou, em julho, uma taxa de 21,1% (face aos 22,1% homólogos) e a UE uma taxa de 18,8% (que compara com os 20,2% de julho de 2015).

As menores taxas de desemprego jovem observaram-se em Malta (7,1%) e na Alemanha (7,2%), enquanto as mais elevadas se registaram na Grécia (50,3% em maio), em Espanha (43,9%) e Itália (39,2%).

Em Portugal, a taxa de desemprego foi de 11,1% e a de desemprego jovem de 26,3%, em julho.

Lusa

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.