sicnot

Perfil

Economia

PS pede ajuda a dirigentes para pagar água e luz

PS pede ajuda a dirigentes para pagar água e luz

Os Partido Socialista está em falência e com um passivo de 21 milhões de euros. Numa altura em que há iniciativas a serem canceladas por falta de verbas, o partido está a agora a pedir aos dirigentes de todo o país que paguem, em lugar das contribuições, as despesas de água e luz do próprio bolso.

  • PS pede aos coordenadores locais que assumam o pagamento de despesas

    País

    A notícia faz capa no Jornal de Notícias de hoje, que diz que o partido atravessa várias dificuldades financeiras com um passivo de 21 milhões de euros e que está a deixar as concelhias e as federações do partido em guerra. De acordo com o JN, as distritais de Coimbra, Setúbal e Porto e as concelhias de Montemor-o-novo, Miranda do Corvo, Tábua e Oliveira do Hospital são as que reúnem maiores dificuldades.

  • Gastos dos partidos na campanha para as legislativas

    Economia

    Durante a campanha das legislativas do ano passado, o PS pagou 751 mil euros a um militante e ex-funcionário do partido pela organização de cerca de 20 comícios. Já a coligação Portugal à Frente pagou quase meio milhão de euros ao publicitário da campanha.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.