sicnot

Perfil

Economia

À espera de um novo iPhone

reuters

Esta quarta-feira é o dia de um dos acontecimentos tecnológicos mais aguardados do ano: a Apple deverá lançar os seus novos produtos, entre os quais o "rei da festa" - o novo iPhone, que deverá ter três modelos diferentes.

Os modelos deverão ser o iPhone 7, o iPhone 7 Plus e o iPhone 7 Pro (uma versão premium). O iPhone 7 deverá ter um ecrã de 4,7 polegadas, e os outros dois deverão ter ecrãs de 5,5 polegadas cada um.

O tradicional botão principal e do encaixe para os headphones deverá desaparecer, dando lugar a uma superfície tátil. Em vez do encaixe para os auriculares, deverão ser incluídas opções de conexão Bluetooth para headphones sem fios.

Os novos smartphones deverão ter capacidades de armazenamento de 32GB, 128GB e 256GB.

O iPhone 7 Plus deverá ter uma memória RAM de 3GB e ser o único dos três modelos a exibir uma câmara com dupla objetiva, ambas com qualidade de 12 megapixéis. À semelhança dos outros dois modelos, as câmaras do 7 Plus estão equipadas com quatro sensores.

O lançamento é feito numa altura em que a rical Samsung anunciou a retirada do mercado dos novos Galaxy Note 7, dveido a problemas com a bateria.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.