sicnot

Perfil

Economia

À espera de um novo iPhone

reuters

Esta quarta-feira é o dia de um dos acontecimentos tecnológicos mais aguardados do ano: a Apple deverá lançar os seus novos produtos, entre os quais o "rei da festa" - o novo iPhone, que deverá ter três modelos diferentes.

Os modelos deverão ser o iPhone 7, o iPhone 7 Plus e o iPhone 7 Pro (uma versão premium). O iPhone 7 deverá ter um ecrã de 4,7 polegadas, e os outros dois deverão ter ecrãs de 5,5 polegadas cada um.

O tradicional botão principal e do encaixe para os headphones deverá desaparecer, dando lugar a uma superfície tátil. Em vez do encaixe para os auriculares, deverão ser incluídas opções de conexão Bluetooth para headphones sem fios.

Os novos smartphones deverão ter capacidades de armazenamento de 32GB, 128GB e 256GB.

O iPhone 7 Plus deverá ter uma memória RAM de 3GB e ser o único dos três modelos a exibir uma câmara com dupla objetiva, ambas com qualidade de 12 megapixéis. À semelhança dos outros dois modelos, as câmaras do 7 Plus estão equipadas com quatro sensores.

O lançamento é feito numa altura em que a rical Samsung anunciou a retirada do mercado dos novos Galaxy Note 7, dveido a problemas com a bateria.

  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.