sicnot

Perfil

Economia

CGTP aprova proposta reivindicativa com aumentos salariais de 4%

A CGTP aprova hoje a sua proposta reivindicativa para 2017, que deve incluir aumentos salariais de 4%, o aumento do salário mínimo nacional para os 600 euros e melhores condições de vida e de trabalho.

O documento que define a política de rendimentos e a política reivindicativa da Intersindical para o próximo ano vai ser discutido e aprovado no Conselho Nacional, que se reúne hoje pela primeira vez após o período de férias, com a certeza de que os 147 conselheiros não vão deixar cair a reivindicação de um salário mínimo de 600 euros, conforme foi decidido no último congresso da central, em fevereiro.

Segundo fonte sindical, a valorização dos salários, com aumentos nunca inferiores aos do ano passao, e o combate à pobreza deverão ser os pontos fortes da proposta reivindicativa.

Em setembro de 2015, a CGTP reivindicou para 2016 aumentos salariais de 4%, que garantissem um aumento mínimo de 40 euros.

A reposição de direitos, o combate à precariedade, a redução do horário de trabalho e o respeito pela contratação coletiva foram também reivindicações defendidas há um ano, que devem ser reafirmadas hoje.

De acordo com a mesma fonte, as primeiras lutas da Intersindical deverão realizar-se na última semana deste mês, em defesa do emprego, dos direitos e da valorização dos salários.

Para 23 de setembro estão marcados encontros para debater as alterações à legislação laboral, em particular as relativas aos direitos dos representantes dos trabalhadores.

A CGTP-IN pretende dar visibilidade às suas posições ao longo do mês, antes que o Orçamento do Estado para 2017 esteja pronto, porque considera que este "é o momento certo" para se aumentarem os salários e as pensões.

Lusa

  • Época 2016/17 fecha com festa no Jamor
    1:58

    Desporto

    Quatro anos depois da primeira final, Benfica e Vitória de Guimarães regressam ao Jamor esta tarde para jogar a Final da Taça de Portugal. O jogo marca também a estreia do videoárbitro em Portugal.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14