sicnot

Perfil

Economia

Costa diz que PSD até agora falhou todas as suas previsões orçamentais

O primeiro-ministro desvalorizou esta quarta-feira as dúvidas manifestadas pelo líder do PSD sobre as consequências para as finanças públicas de um aumento das pensões e considerou que, até agora, os sociais-democratas falharam todas as previsões orçamentais.

António Costa falava aos jornalistas no final de uma visita ao Real Gabinete Português de Leitura, primeiro ponto do seu programa no Rio de Janeiro, depois de confrontado com as dúvidas manifestadas pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, no Cartaxo, sobre as consequências para as finanças públicas caso haja um aumento apreciável das pensões no próximo ano.

O primeiro-ministro considerou que essas dúvidas de Pedro Passos Coelho não lhe causam qualquer surpresa, "porque é sabido que defende o corte das pensões, enquanto o atual Governo defende a reposição das pensões".

Interrogado sobre a possibilidade de as finanças públicas portuguesas não terem capacidade para suportar o conjunto de reposições de rendimentos e de aumentos das pensões no próximo ano, António Costa sustentou que o seu executivo "tem cumprido cada compromisso que assumiu".

"Comprometemo-nos em repor as pensões e os salários cortados, já baixámos a sobretaxa de IRS e baixámos o IVA da restauração. Não somos nós quem aumentou impostos - e vamos continuar a cumprir o nosso programa", reagiu.

Questionado sobre que compensações poderão ser introduzidas a prazo pelo executivo, em termos de receitas para o Estado, caso o crescimento económico seja insuficiente para suportar o aumento de pensões, o primeiro-ministro advogou que a política orçamental "tem de ser vista em conjunto".

"Quando apresentámos o Orçamento do Estado para 2016, o PSD começou por dizer que não teria sequer 'luz verde' da Comissão Europeia, mas teve; a seguir disse que não conseguíamos cumprir o Orçamento, mas conseguimos cumpri-lo; depois disse que iria existir uma derrapagem no défice, o que não aconteceu", referiu o líder do executivo.

Ou seja, segundo António Costa, "até agora, o PSD não acertou uma única previsão para bem de Portugal e dos portugueses".

"Vamos continuar a governar serenamente", completou.

O primeiro-ministro acusou também Pedro Passos Coelho de ter colocado em marcha, quando foi primeiro-ministro, uma estratégia económico-financeira errada.

"Uma solução que nem sequer resultou no que respeita à meta do défice abaixo dos três por cento em 2015. Este ano, felizmente, este Governo pôs fim aos cortes e repôs em vigor plenamente a Constituição da República. Vamos prosseguir esta política de reforço do rendimento das famílias, ao mesmo tempo que prosseguiremos a nossa estratégia de consolidação orçamental, que, felizmente, está a dar bons resultados, tal como a própria Comissão Europeia reconhece", acrescentou.

Lusa

  • Fogo na baixa do Porto provoca quatro feridos, dois em estado grave
    1:38

    New Articles

    Um incêndio em três habitações na baixa do Porto, que deflagrou esta noite, provocou quatro feridos, dois em estado grave. O fogo que foi extinto pelos Bombeiros Sapadores do Porto causou cinco desalojados, dos quais quatro foram acolhidos por familiares e um realojado pela junta de freguesia. Desconhece-se a origem das chamas que destruíram três casas.

  • O primeiro dia de Donald Trump na Casa Branca
    3:05
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.