sicnot

Perfil

Economia

Secretário de Estado diz que Governo de Passos "mascarou" problemas financeiros

O secretário de Estado adjunto do Tesouro e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, acusou esta quinta-feira o anterior executivo PSD/CDS de ter mascarado os problemas do setor financeiro, com a complacência do Banco de Portugal e das instituições internacionais.

"Uma recessão tão profunda deixou marcas no sistema financeiro. Marcas tanto maiores quanto os problemas do sistema financeiro, que foram mascarados pelo anterior executivo, com a complacência do supervisor e das instituições internacionais", afirmou hoje no parlamento o governante.

No seu discurso na comissão permanente da Assembleia da República, Mourinho Félix destacou o papel que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) desempenhou durante "o período de profunda recessão que marcou a passagem do PSD pelo Governo".

Segundo o secretário de Estado, "nesse período, a Caixa foi o banco de refúgio das poupanças de muitos portugueses e evitou a que se assistisse a uma fuga de depósitos".

Depois de ter ouvido as posições dos diversos grupos parlamentares sobre o plano de reestruturação do banco público, negociado entre o Governo e Bruxelas, que inclui uma recapitalização significativa, Mourinho Félix apontou para os efeitos económicos que a crise teve sobre muitas empresas, que faliram e deixaram de honrar os seus compromissos junto da banca.

Também realçou o contexto de baixas taxas de juro que levaram os bancos a ter perdas significativas no crédito à habitação, segmento no qual a CGD tem uma forte expressão.

E vincou: "A manutenção da confiança na CGD implica um virar de página".

Mourinho Félix considerou que o plano desenhado pelo Governo vai permitir à CGD "lidar com os ativos improdutivos e assegurar uma adequada cobertura de imparidades", bem como "orientar a concessão de crédito para os melhores projetos empresariais que criam valor e emprego", e ainda "criar valor para o acionista".

O objetivo é que o banco estatal seja "autossustentável, como foi no passado", referiu.

No debate, os partidos da oposição (PSD e CDS) lançaram críticas e dúvidas sobre a ação do Governo sobre a CGD, enquanto os partidos que apoiam o Governo de António Costa (PS, Bloco de Esquerda e PCP) defenderam a necessidade de Portugal contar com um banco público sólido e que contribua para a estabilidade do sistema financeiro.

Lusa

  • Samaris suspenso por três jogos

    Desporto

    O internacional grego do Benfica Samaris foi castigado com três jogos de suspensão pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, após ter sido instaurado um auto de flagrante delito por parte da Comissão de Instrutores.

    Em atualização

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.