sicnot

Perfil

Economia

Durão Barroso indignado com Comissão Europeia

JOS\303\211 COELHO

Durão Barroso acusa a Comissão Europeia de ser "inconsistente e "discriminatória" a propósito do novo cargo que vai ocupar no banco de investimento Goldman Sachs.

Numa carta enviada ao presidente da Comissão Europeia, e a que o Financial Times teve acesso, o ex-presidente da Comissão Europeia defende a decisão de ter aceitado o emprego na Goldman Sachs.

Durão Barroso diz que as alegações de falta de integridade são infundadas e discriminatórias contra ele próprio e contra a Goldman Sachs. Por isso, pretende saber se Jean Claude Juncker já tomou uma decisão e, se for o caso, quer entender como foi tomada, "por quem e com que fundamentos".

Barroso considera que está a ser alvo de ações discriminatórias que parecem ser incompatíveis com outras decisões tomadas relativamente a outros ex-membros da Comissão Europeia.

  • Provedora da Justiça europeia satisfeita com perda de privilégios de Barroso
    2:27

    Mundo

    A Provedora de Justiça europeia tem sido um dos elementos de pressão no caso Barroso, dizendo que está em causa a confiança dos cidadãos nas instituições europeias. Em entrevista à SIC e ao Expresso, Emily O'Reilly diz ainda que a Comissão pode pedir ao Tribunal de Justiça que suspenda a pensão de Durão Barroso, se concluir que o contrato com a Goldman Sachs não respeita os tratados.

  • Durão Barroso passa a ser recebido em Bruxelas como lobista
    1:50

    Economia

    Durão Barroso perde os privilégios de antigo presidente da Comissão Europeia. Passa a ser recebido em Bruxelas como um lobista, um representante de interesses. Todos os passos, contactos e encontros ficam documentados e passa a estar sujeito a uma série de obrigações para garantir a transparência da relação.

  • Durão Barroso perde privilégios em Bruxelas
    1:32

    Economia

    A Comissão Europeia quer ver o contrato de Durão Barroso com o Goldman Sachs e retirou-lhe os privilégios de ser recebido em Bruxelas como um ex-presidente do Executivo comunitário. O português passará a ser tratado em Bruxelas como lobista. Esta é a resposta de Jean-Claude Juncker à pressão da Provedora de Justiça Europeia.