sicnot

Perfil

Economia

Ex-dona do BPN vai ser liquidada

A empresa Galilei SGPS, ex-Sociedade Lusa de Negócios, que era a dona do banco BPN, entrou na fase de liquidação, depois de os credores da empresa terem recusado a sua recuperação esta terça-feira.

A informação foi avançada à Lusa pelo advogado Pedro Faria, que representa a Parvalorem, a 'holding' estatal que ficou com ativos 'tóxicos' do BPN e que é o maior credor da Galilei.

A Parvalorem também votou, na assembleia de credores de hoje, pela liquidação da Galilei por não acreditar na sua viabilização.

Aliás, explicou o jurista, o próprio relatório apresentado pelo administrador de insolvência da Galilei (que herdou os ativos da SLN) já concluía da impossibilidade prática de qualquer plano de recuperação e a própria Galilei não apresentou qualquer estratégia com vista à sua recuperação.

Com a liquidação da empresa hoje aprovada, segue-se agora a constituição da comissão de credores, que será presidida pela Parvalorem, uma vez que é o maior credor.

Será agora avaliado o património da Galilei SGPS, nomeadamente participações sociais noutras empresas, e colocado à venda, com vista à distribuição do montante conseguido pelos credores, os quais serão graduados por um juiz consoante os créditos que detenham.

Os trabalhadores com vencimentos a receber terão uma posição privilegiada na liquidação do património, havendo ainda os credores comuns e os subordinados.

Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.