sicnot

Perfil

Economia

Ex-dona do BPN vai ser liquidada

A empresa Galilei SGPS, ex-Sociedade Lusa de Negócios, que era a dona do banco BPN, entrou na fase de liquidação, depois de os credores da empresa terem recusado a sua recuperação esta terça-feira.

A informação foi avançada à Lusa pelo advogado Pedro Faria, que representa a Parvalorem, a 'holding' estatal que ficou com ativos 'tóxicos' do BPN e que é o maior credor da Galilei.

A Parvalorem também votou, na assembleia de credores de hoje, pela liquidação da Galilei por não acreditar na sua viabilização.

Aliás, explicou o jurista, o próprio relatório apresentado pelo administrador de insolvência da Galilei (que herdou os ativos da SLN) já concluía da impossibilidade prática de qualquer plano de recuperação e a própria Galilei não apresentou qualquer estratégia com vista à sua recuperação.

Com a liquidação da empresa hoje aprovada, segue-se agora a constituição da comissão de credores, que será presidida pela Parvalorem, uma vez que é o maior credor.

Será agora avaliado o património da Galilei SGPS, nomeadamente participações sociais noutras empresas, e colocado à venda, com vista à distribuição do montante conseguido pelos credores, os quais serão graduados por um juiz consoante os créditos que detenham.

Os trabalhadores com vencimentos a receber terão uma posição privilegiada na liquidação do património, havendo ainda os credores comuns e os subordinados.

Lusa

  • Espanha e Portugal a um ponto dos oitavos

    Mundial 2018 / Irão

    A Espanha colocou-se esta quarta-feira a um ponto dos oitavos de final do Mundial 2018 e deixou Portugal em situação idêntica, ao vencer o Irão por 1-0, em jogo do grupo B, disputado em Kazan.

  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Lançamento de balões no São João do Porto em risco

    País

    Lançar balões nas festas do São João do Porto pode não ser possível este ano, tudo irá depender das condições atmosféricas. A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural admitiu, esta quarta-feira, que está a acompanhar a situação mas que ainda nada está decidido.