sicnot

Perfil

Economia

Risco de segundo resgate para Portugal é "baixo"

Para a agência de notação financeira Moody's, "é improvável" que Portugal precise de um novo resgate nos tempos mais próximos. Mas o frágil setor bancário continua a ser um risco.

A Moody's diz que o risco de Portugal precisar de um segundo resgate "não pode ser completamente descartado", mas acrescenta que a posição de financiamento do país é "muito confortável".

Ainda assim, o frágil setor bancário continua a ser um risco para o governo. Apesar do acordo entre a Comissão Europeia e Portugal,
que prevê uma injeção de 2700 milhões de euros na Caixa Geral de Depósitos, a agência de rating não vê com bons olhos essa recapitalização e continua a traçar um cenário sombrio para o país.

A Moody's classifica a dívida bancária portuguesa com um rating de lixo, Ba1, desde julho de 2014, e não tem prevista qualquer atualização para este ano.

  • Se o país voltar a sofrer um "mal maior" será por "ato deliberado" do Governo
    1:06

    País

    Pedro Passos Coelho diz que se o país tiver de recorrer novamente a um resgate financeiro, será por ato deliberado do Governo. No encerramento das jornadas parlamentares do PSD, sem nunca se referir às declarações do ministro das Finanças e sem nunca referir a palavra resgate, Passos Coelho defendeu que quem já passou por um "mal maior" não pode voltar a aceitar ingenuidades, distrações e incompetência.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão