sicnot

Perfil

Economia

DBRS não vê necessidade de um novo resgate

Exclusivo SIC

Só em março, registaram-se 3,1 milhões de dormidas em alojamentos de todo o país. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

A agência de notação financeira DBRS considera que um pedido de resgate pode ser necessário se reforçar a capacidade de um governo, e não especificamente do executivo português, de dar resposta aos pagamentos de dívida que tem em agenda. Em resposta a várias questões enviadas pela SIC, por email, a agência diz que essa hipótese poderia mesmo ser positiva em termos de crédito.

A DBRS realça, no entanto, que não faz recomendações a favor ou contra uma determinada política ou um programa específico.

Quanto à injeção de capital na Caixa Geral de Depósitos (quatro milhões d euros), a agência de rating sublinha que essa operação vai ter impacto na dívida, sem que isso signifique no entanto a necessidade de uma maior necessidade de financiamento, ao longo deste ano.

A DBRS sublinha ainda, nesta resposta à SIC, o fraco crescimento da economia portuguesa, abaixo das expectativas. Destaca o consumo privado como um motor do crescimento, apesar da forma moderada, que tem contribuido para o PIB.

Assinala ainda o que considera ser uma execução orçamental dentro da linha do previsto.

  • Segundo resgate a Portugal é uma "não notícia"
    0:36

    Economia

    António Costa diz que o tema de um possível segundo resgate a Portugal é uma "não notícia". O primeiro-ministro comentou esta quarta-feira a resposta que a agência de rating DBRS deu à SIC, onde afastou a necessidade de um novo pedido de resgate.

  • "Mais vale dedicar-se à caça de Pokémons"
    2:05

    Economia

    É o desafio, ainda que indireto, de António Costa a Passos Coelho. Reagindo aos eventuais riscos de um novo resgate, o primeiro-ministro garantiu que ninguém vai conseguir encontrar o diabo anunciado pelo líder do PSD.

  • Centeno afasta cenário de resgate e admite aumento dos impostos indiretos
    2:23

    Economia

    O ministro das Finanças volta a admitir um aumento dos impostos indiretos no próximo ano. No Parlamento, onde está a ser ouvido, Mário Centeno garante que as alterações fiscais terão o mesmo padrão que tiveram este ano. Ou seja, vai continuar a reduzir o IRS, mas abre a porta a um novo aumento dos combustíveis, do tabaco e do álcool.

  • "Classes médias altas podem vir a pagar mais"
    5:08

    Opinião

    José Gomes Ferreira considera que o ministro das Finanças "fez um erro político complicado" ao admitir que estava a combater um problema iminente de um segundo resgate. Mário Centeno admitiu hoje no Parlamento também que os impostos indiretos podem aumentar. As "classes médias altas podem vir a pagar mais e classes médias baixas podem pagar menos", diz José Gomes Ferreira.

  • Vidas de fogo
    12:04