sicnot

Perfil

Economia

DBRS não vê necessidade de um novo resgate

Exclusivo SIC

Só em março, registaram-se 3,1 milhões de dormidas em alojamentos de todo o país. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

A agência de notação financeira DBRS considera que um pedido de resgate pode ser necessário se reforçar a capacidade de um governo, e não especificamente do executivo português, de dar resposta aos pagamentos de dívida que tem em agenda. Em resposta a várias questões enviadas pela SIC, por email, a agência diz que essa hipótese poderia mesmo ser positiva em termos de crédito.

A DBRS realça, no entanto, que não faz recomendações a favor ou contra uma determinada política ou um programa específico.

Quanto à injeção de capital na Caixa Geral de Depósitos (quatro milhões d euros), a agência de rating sublinha que essa operação vai ter impacto na dívida, sem que isso signifique no entanto a necessidade de uma maior necessidade de financiamento, ao longo deste ano.

A DBRS sublinha ainda, nesta resposta à SIC, o fraco crescimento da economia portuguesa, abaixo das expectativas. Destaca o consumo privado como um motor do crescimento, apesar da forma moderada, que tem contribuido para o PIB.

Assinala ainda o que considera ser uma execução orçamental dentro da linha do previsto.

  • Segundo resgate a Portugal é uma "não notícia"
    0:36

    Economia

    António Costa diz que o tema de um possível segundo resgate a Portugal é uma "não notícia". O primeiro-ministro comentou esta quarta-feira a resposta que a agência de rating DBRS deu à SIC, onde afastou a necessidade de um novo pedido de resgate.

  • "Mais vale dedicar-se à caça de Pokémons"
    2:05

    Economia

    É o desafio, ainda que indireto, de António Costa a Passos Coelho. Reagindo aos eventuais riscos de um novo resgate, o primeiro-ministro garantiu que ninguém vai conseguir encontrar o diabo anunciado pelo líder do PSD.

  • Centeno afasta cenário de resgate e admite aumento dos impostos indiretos
    2:23

    Economia

    O ministro das Finanças volta a admitir um aumento dos impostos indiretos no próximo ano. No Parlamento, onde está a ser ouvido, Mário Centeno garante que as alterações fiscais terão o mesmo padrão que tiveram este ano. Ou seja, vai continuar a reduzir o IRS, mas abre a porta a um novo aumento dos combustíveis, do tabaco e do álcool.

  • "Classes médias altas podem vir a pagar mais"
    5:08

    Opinião

    José Gomes Ferreira considera que o ministro das Finanças "fez um erro político complicado" ao admitir que estava a combater um problema iminente de um segundo resgate. Mário Centeno admitiu hoje no Parlamento também que os impostos indiretos podem aumentar. As "classes médias altas podem vir a pagar mais e classes médias baixas podem pagar menos", diz José Gomes Ferreira.

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.