sicnot

Perfil

Economia

PSD e CDS questionam se Costa mandou Centeno apanhar Pokémons

© Lusa

O PSD e o CDS-PP questionaram esta quarta-feira se o primeiro-ministro, António Costa, não terá mandado o ministro das Finanças dedicar-se à caça de Pokémons, depois das declarações de Mário Centeno sobre um eventual novo resgate.

"Não sei se o senhor primeiro-ministro estava a mandar o senhor ministro da Finanças caçar Pokémons, porque acabou de dizer que quem fala de resgate deve dedicar-se à caça de Pokémons. Além de ter pouco nível na resposta, parece que é consigo, mas eu espero que não", criticou o deputado do PSD António Leitão Amaro, no parlamento.

Depois, durante o debate na Comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, o deputado do CDS João Almeida considerou que "o senhor ministro das Finanças ou enganou o país ou enganou o primeiro-ministro".

"É que vendo alguns comentários do senhor primeiro-ministro relativamente a matérias que são da sua responsabilidade, designadamente sobre falar ou não de resgate, parece que o próprio ministro foi enganado sobre as previsões do senhor ministro", disse o deputado centrista.

As posições dos dois deputados no parlamento surgem depois de o primeiro-ministro ter defendido hoje que não tem o menor cabimento colocar-se um cenário de segundo resgate financeiro a Portugal e sugeriu que quem espera o "diabo" melhor fará em dedicar-se a caçar "pokémons", numa indireta ao PSD.

Interrogado pelos jornalistas sobre o facto de a agência de rating Moody's ter afastado um cenário de segundo resgate financeiro a Portugal, o líder do executivo respondeu: "Nunca estive intranquilo, porque sempre disse que não faz sentido, não tem qualquer cabimento, falar em qualquer tipo de resgate".

Mais à frente, numa alusão indireta às previsões económico-financeiras do PSD, António Costa declarou que "quem anda à procura de encontrar o diabo mais vale dedicar-se à caça de pokémons, porque caçar pokémons é mais fácil do que encontrar o diabo".

Na segunda-feira, o ministro das Finanças, Mário Centeno, disse, numa entrevista à estação televisiva norte-americana CNBC, que Portugal fará o necessário para evitar um segundo resgate financeiro.

Hoje, e interrogado sobre a entrevista pelo deputado do PSD Duarte Pacheco no parlamento, Mário Centeno esclareceu: "Limitei-me a responder a uma pergunta. Limitei-me a dizer qual é a política do Governo na área fiscal, na área das reformas e na área do sistema financeiro. São políticas consistentes com a estabilidade da economia portuguesa e no seu crescimento e é essa a preocupação do Governo".

Lusa

  • "Mais vale dedicar-se à caça de Pokémons"
    2:05

    Economia

    É o desafio, ainda que indireto, de António Costa a Passos Coelho. Reagindo aos eventuais riscos de um novo resgate, o primeiro-ministro garantiu que ninguém vai conseguir encontrar o diabo anunciado pelo líder do PSD.

  • Passos não comenta acusações de António Costa
    0:28

    País

    Em reação a António Costa, o líder o PSD recusa-se a comentar que o partido ande à caça de Pokémons, tal como disse esta manhã o primeiro-ministro. Relativamente à possibilidade de um novo resgate, Passos Coelho rejeita que tal hipótese deva ser considerada.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15