sicnot

Perfil

Economia

Schulz defende revisão do código de conduta da UE

Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu.

© Handout . / Reuters

O presidente do Parlamento Europeu considera que a União Europeia (UE) deve rever o código de conduta depois da polémica causada pela ida de Durão Barroso para o Goldman Sachs. As declarações de Martin Schulz foram proferidas em entrevista ao jornal alemão Die Welt.

Jean-Claude Juncker anunciou esta semana que vai abrir uma investigação sem precedentes para averiguar as questões éticas que rodeiam a contratação do ex-presidente da Comissão Europeia pelo Goldman Sachs.

"Temos de adaptar o código de conduta de modo a esclarecer sobre o que é permitido aos ex-presidentes da Comissão Europeia e antigos comissários europeus", disse Schulz ao Die Welt.

O grupo bancário norte-americano contratou Barroso para consultor não executivo para a delegação de Londres, apenas duas semanas depois dos britânicos votarem a favor do Brexit. Durão Barroso afirmou que iria dar acompanhamento ao Goldman Sachs em questões relativas aos processo de saída da Grã-Bretanha da UE.

Questionado sobre se as atuais normas éticas da UE eram demasiado permissivas, Schulz respondeu: "Não são suficientemente precisas. É normal que um ex-presidente da Comissão Europeia procure trabalho. Não há problema se escrever livros ou for lecionar para uma universidade, mas é estranho que seja conselheiro do maior banco de investimento sobre a questão do Brexit".

Durão Barroso já se manifestou contra o que considera ser um comportamento "discriminatório" de Juncker, que afirmou que o ex-presidente da Comissão Europeia deixaria de ser tratado como tal. Bruxelas garante que quem for lobista será tratado como tal. Barroso enviou uma carta a Juncker, na qual se defende, dizendo que está a ser vítima de discriminação e que não é lobista.

  • Durão Barroso indignado escreve à Comissão Europeia
    1:55

    País

    A Comissão Europeia garante que quem for lobista será tratado como tal. A resposta de Durão Barroso a Bruxelas não tardou. O ex-presidente da Comissão, depois de ter sido contratado pelo Goldman Sachs, enviou uma carta a Jean-Claude Juncker, na qual se defende, dizendo que está a ser vítima de discriminação e que não é lobista.

  • Comissão Europeia diz que quem for lobista será tratado como tal
    0:19

    Economia

    Durão Barroso diz que outros ex-comissários, que foram para o setor privado, não foram tratados da mesma forma. Seria o caso de Mario Monti que também foi para o Goldman Sachs e de Nellie Kroes que foi para a Uber. O porta-voz da Comissão Europeia esclarece que quem for lobista será tratado como tal.

  • Durão Barroso perde privilégios em Bruxelas
    1:32

    Economia

    A Comissão Europeia quer ver o contrato de Durão Barroso com o Goldman Sachs e retirou-lhe os privilégios de ser recebido em Bruxelas como um ex-presidente do Executivo comunitário. O português passará a ser tratado em Bruxelas como lobista. Esta é a resposta de Jean-Claude Juncker à pressão da Provedora de Justiça Europeia.

  • Durão Barroso passa a ser recebido em Bruxelas como lobista
    1:50

    Economia

    Durão Barroso perde os privilégios de antigo presidente da Comissão Europeia. Passa a ser recebido em Bruxelas como um lobista, um representante de interesses. Todos os passos, contactos e encontros ficam documentados e passa a estar sujeito a uma série de obrigações para garantir a transparência da relação.

  • Bruxelas quer ouvir Barroso sobre trabalho no Goldman Sachs
    1:24

    Economia

    A Comissão Europeia pede que Durão Barroso dê mais esclarecimentos sobre o novo trabalho no Goldman Sachs. É a resposta de Jean-Claude Juncker à pressão da Provedora de Justiça Europeia. Numa carta a que a SIC teve acesso, Juncker diz ainda que Barroso deixa de ser recebido na Comissão como um ex-presidente, mas como um representante do grupo financeiro.