sicnot

Perfil

Economia

Conselho de Finanças Públicas aponta para défice de 2,6% em 2016

Conselho de Finanças Públicas aponta para défice de 2,6% em 2016

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) estima que o défice orçamental represente 2,6% do PIB em 2016 e 2,7% em 2017, caso o Governo não introduza novas medidas, projeções aquém das metas definidas para os dois anos. Teodora Cardoso alerta para os riscos que a economia portuguesa corre no cumprimento das metas do défice, do PIB e do crescimento económico.

Na atualização do relatório Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2016-2020 divulgada hoje, o CFP estima, num cenário de políticas invariantes, ou seja, em que se mantêm todas as medidas legisladas até ao momento, que o défice orçamental desça para 2,6% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, um valor superior aos 2,2% previstos pelo Governo no Programa de Estabilidade, mas também acima da meta de 2,5% definida por Bruxelas.

Também para o próximo ano, e numa altura em que o Governo está a preparar o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), o Conselho de Finanças Públicas, liderado por Teodora Cardoso, projeta um défice de 2,7%, acima dos 1,4% previstos pelo Governo no Programa de Estabilidade 2016-2020, apresentado pelo executivo em abril.

"Por azar, [a projeção] do défice fica mal em duas coisas: o Governo tinha prometido 2,2% e, por outro lado, a recomendação da Comissão Europeia pede 2,5%. (...) Mas o principal problema tem a ver com a falta de crescimento da economia e, portanto, com a sustentabilidade disto", afirmou a presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP).

"Se chegarmos ao próximo ano e a única preocupação outra vez é ficarmos aquém de 3% seja lá como for -- subir impostos aqui e descer despesas ali -- onde é que vamos parar? Onde já estamos. E daí o problema da confiança", alertou Teodora Cardoso.

No documento publicado hoje, o CFP projeta ainda que um défice orçamental de 2,7% do PIB em 2018, de 2,6% em 2019 e de 2,4% em 2020, contra os défices de 0,9% e 0,1% para 2018 e 2019 e o excedente de 0,4% para 2020, previstos pelo Governo no Programa de Estabilidade.

"É claro que daqui resulta um saldo orçamental que continua a ter um comportamento que está longe do equilíbrio orçamental e mesmo relativamente ao limite dos 3% do PIB continua a não ter uma margem de margem de segurança suficiente para acorrer a uma qualquer situação menos favorável em termos conjunturais", alertou a presidente do CFP, Teodora Cardoso.

O CFP não tem em consideração as medidas para o futuro previstas pelo Governo no Programa de Estabilidade, porque, de acordo com Teoroda Cardoso, "não se sabe quando é que as medidas vão ser tomadas, a sua verdadeira natureza e o seu impacto".

Em março, quando apresentou o relatório 'Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2016-2020', o CFP previa que o défice orçamental fosse de 2,7% em 2016, 2,8% em 2017 (piores do que a atualização de hoje), de 2,5% em 2018, de 2,4% em 2019 e 2,3% em 2020 (melhores do que agora).

Com Lusa

  • Mulher detida ao tentar atropelar polícias junto ao Capitólio, em Washington

    Mundo

    Agentes da polícia abriram fogo contra uma mulher (e não um homem, ao contrário do que inicialmente se disse) que conduzia um carro perto do Capitólio e tentava atropelá-los, segundo o Departamento da Polícia Metropolitana de Washington. A mulher foi detida mas a polícia garante que não se tratou de um ato terrorista.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.