sicnot

Perfil

Economia

Esquerda acerta imposto sobre casas de luxo

Esquerda acerta imposto sobre casas de luxo

O Governo vai criar um novo imposto para as casas que valem mais. A taxa ainda está a ser estudada, PS e Bloco garantem que a classe média está protegida.

Os pormenores só devem ser revelados no Orçamento do Estado, mas é certo que quem tem as casas mais valiosas ou grandes investimentos em imóveis pode contar com um novo imposto no próximo ano.

Das negociações entre PS e Bloco, sai uma nova taxa sobre o património. Ainda não se comprometem com o valor e com quem terá de pagar mais, mas garantem que a maioria dos portugueses não vai ser afetada.

A taxa será calculada pelo valor patrimonial tributável da ou das casas, que por norma é mais baixo do que o valor de mercado. Mas ao contrário do imposto aplicado agora, no novo vai somar-se quanto valem todas as casas do contribuinte.

Imaginemos que será nos 500 mil euros:

- Se tiver uma casa ou um prédio, que valha 200 mil, fica isento do imposto.

- Se possuir uma casa melhor, com valor patrimonal tributável de 550 mil euros, vai pagar esta nova taxa, mas apenas pelos 50 mil euros que ficam acima do limite.

- É provável que pague o imposto se for dono de muitos imóveis. Se todos juntos, mesmo assim, não chegarem aos 500 mil euros, não terá de se preocupar.

- Mas se ultrapassarem esse valor, pagará em 2017 o novo imposto e terá também de pagar o IMI.

Quanto será o imposto? Ainda ninguém diz mas também ninguém esconde que contribuintes pretendem taxar.

Acaba a taxa aplicada até agora a quem tinha prédios de luxos, acima de 1 milhão de euros. Mas é criado um novo imposto, que ainda não tem nome. O Bloco espera que não se chame sobretaxa nem qualquer outro nome que lembre os impostos criados pelo anterior governo.

A SIC sabe que PS e BE esperam conseguir até 200 milhões de euros a mais em receitas.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.