sicnot

Perfil

Economia

Nova taxa exclui "toda a classe média"

ANT\303\223NIO COTRIM

Mariana Mortágua garante que o novo imposto sobre o património imobiliário pretende exluir toda a classe média. A deputada do Bloco de Esquerda explica que o objectivo é aumentar a contribuição dos titulares de património de luxo.

A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua assegurou hoje que o novo imposto sobre o património imobiliário que está a ser desenhado vai excluir "toda a classe média" e incidir, sobretudo, em titulares de património de luxo.

Em declarações à Lusa, Mariana Mortágua explicou que se trata de uma taxação adicional para património imobiliário de elevado valor, embora não esteja ainda fechado o montante a partir do qual incidirá a tributação. "Mas que nunca será inferior a 500 mil euros", garantiu.

"Esta medida está a ser desenhada para ser uma forma de imposto sobre grandes fortunas, neste caso, grandes fortunas imobiliárias. Vai haver um limite que vai deixar de fora todas as pessoas com uma casa, duas casas, que formam a classe média. Não é uma medida para atingir as famílias normais que compraram a sua casa", explicou a deputada.

Mariana Mortágua acrescentou que o novo imposto não irá, igualmente, atingir empresas com "património que serve para fins produtivos, seja empresas que têm prédios ou fábricas que serve para produzir coisas, que fazem parte da indústria e que têm uma função económica".

"Não é taxar esse tipo de património, que não serve para acumulação de riqueza, está a servir um propósito produtivo, que deve ser incentivado, e não taxado", frisou.

A criação de um novo imposto sobre o património, progressivo, foi noticiada hoje por vários órgãos de comunicação social, como o Jornal de Negócios, o Correio da Manhã, a Rádio Renascença e a TSF.

Segundo Mariana Mortágua, o acordo foi alcançado no âmbito do grupo de trabalho sobre fiscalidade que reúne socialistas e bloquistas e deverá ser inscrito na proposta de Orçamento do Estado para 2017.

A deputada do Bloco propõe que "o imposto seja progressivo", sublinhando que a própria sobretaxa possa crescer "à medida que o património vai crescendo".

Para a deputada, o imposto tem uma vantagem, nomeadamente a de poder "atingir contribuintes, muitas vezes individuais ou agregados de muito elevado rendimento, que não são contribuintes de muito rendimento".

Mariana Mortágua deu como exemplo um cidadão estrangeiro que não resida em Portugal ou até que reside, mas que não declara o seu rendimento em Portugal, porque não o recebe ou porque escolhe não o declarar - ou então um cidadão português que escolhe não declarar - mas depois tem prédios por acumulação de riqueza de valor milionário.

Neste momento, explicou, não há nenhuma forma de pedir a estas pessoas que paguem o imposto, "que são na realidade as pessoas mais ricas" e encontram uma forma "de não pagar IRS no país", ou seja, não fazem "uma contribuição de acordo com a sua riqueza".

Com Lusa

  • Novo imposto para imóveis acima dos 500 mil euros

    Economia

    O Governo vai avançar com um novo imposto em 2017. É uma informação que está a ser avançada pelo Jornal de Negócios. Trata-se de um imposto sobre o património imobiliário que vai ser aplicado para além do IMI. Destina-se a casas de valor superior a 500 mil euros. O PS e o Bloco de Esquerda prometem para esta quinta-feira mais explicações sobre a medida que vai constar na proposta do Orçamento do estado para o próximo ano.

  • Impostos indiretos vão mesmo aumentar
    2:28

    Economia

    O Governo vai mesmo aumentar os impostos indiretos no próximo ano. Esta quarta-feira, no Parlamento, Mário Centeno garantiu que vai continuar a reduzir o IRS. Contudo, terá de subir outros impostos, como por exemplo, sobre os combustíveis, tabaco e álcool. Já o IVA permanece intocável.

  • Governo garante não mexer no IVA

    Economia

    O Governo garantiu que não vai mexer no IVA, no âmbito do Orçamento do Estado para 2017, afirmando que haverá uma recomposição do esforço fiscal concretizada com uma redução dos impostos diretos contrabalançada com impostos indiretos.

  • Não há risco de colapso do viaduto de Alcântara
    1:35

    País

    O desvio de um pilar do viaduto de Alcântara obrigou esta quarta-feira ao corte do trânsito e da circulação de comboios da linha de Cascais. O estrago terá sido provocado por um camião que embateu na estrutura. A circulação ferroviária foi retomada a meio da manhã, mas o viaduto só será reaberto esta quinta-feira.

  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Romeu e Julieta nasceram no mesmo dia e no mesmo hospital

    Mundo

    Na Carolina do Sul, nos EUA, dois bebés tinham o parto marcado para 26 de março mas decidiram nascer mais cedo: exatamente no mesmo dia, apenas com uma diferença de 18 horas. Os pais não se conheciam e, curiosamente, deram o nome aos recém nascidos de Romeo e Juliet (em português, Romeu e Julieta).

  • Gelo nos polos recua para recordes mínimos

    Mundo

    A extensão de gelo polar dos oceanos Ártico e Antártico atingiu recordes mínimos a 13 de fevereiro, perdendo o equivalente a uma área maior do que o México, informou esta quarta-feira a agência espacial norte-americana NASA.

  • Túmulo de Jesus Cristo restaurado

    Mundo

    Após 10 meses de obras de restauro, o túmulo onde Jesus Cristo terá sido sepultado foi esta quarta-feira revelado numa cerimónia na igreja do Santo Sepulcro, em Jerusalém.