sicnot

Perfil

Economia

Nova taxa exclui "toda a classe média"

ANT\303\223NIO COTRIM

Mariana Mortágua garante que o novo imposto sobre o património imobiliário pretende exluir toda a classe média. A deputada do Bloco de Esquerda explica que o objectivo é aumentar a contribuição dos titulares de património de luxo.

A deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua assegurou hoje que o novo imposto sobre o património imobiliário que está a ser desenhado vai excluir "toda a classe média" e incidir, sobretudo, em titulares de património de luxo.

Em declarações à Lusa, Mariana Mortágua explicou que se trata de uma taxação adicional para património imobiliário de elevado valor, embora não esteja ainda fechado o montante a partir do qual incidirá a tributação. "Mas que nunca será inferior a 500 mil euros", garantiu.

"Esta medida está a ser desenhada para ser uma forma de imposto sobre grandes fortunas, neste caso, grandes fortunas imobiliárias. Vai haver um limite que vai deixar de fora todas as pessoas com uma casa, duas casas, que formam a classe média. Não é uma medida para atingir as famílias normais que compraram a sua casa", explicou a deputada.

Mariana Mortágua acrescentou que o novo imposto não irá, igualmente, atingir empresas com "património que serve para fins produtivos, seja empresas que têm prédios ou fábricas que serve para produzir coisas, que fazem parte da indústria e que têm uma função económica".

"Não é taxar esse tipo de património, que não serve para acumulação de riqueza, está a servir um propósito produtivo, que deve ser incentivado, e não taxado", frisou.

A criação de um novo imposto sobre o património, progressivo, foi noticiada hoje por vários órgãos de comunicação social, como o Jornal de Negócios, o Correio da Manhã, a Rádio Renascença e a TSF.

Segundo Mariana Mortágua, o acordo foi alcançado no âmbito do grupo de trabalho sobre fiscalidade que reúne socialistas e bloquistas e deverá ser inscrito na proposta de Orçamento do Estado para 2017.

A deputada do Bloco propõe que "o imposto seja progressivo", sublinhando que a própria sobretaxa possa crescer "à medida que o património vai crescendo".

Para a deputada, o imposto tem uma vantagem, nomeadamente a de poder "atingir contribuintes, muitas vezes individuais ou agregados de muito elevado rendimento, que não são contribuintes de muito rendimento".

Mariana Mortágua deu como exemplo um cidadão estrangeiro que não resida em Portugal ou até que reside, mas que não declara o seu rendimento em Portugal, porque não o recebe ou porque escolhe não o declarar - ou então um cidadão português que escolhe não declarar - mas depois tem prédios por acumulação de riqueza de valor milionário.

Neste momento, explicou, não há nenhuma forma de pedir a estas pessoas que paguem o imposto, "que são na realidade as pessoas mais ricas" e encontram uma forma "de não pagar IRS no país", ou seja, não fazem "uma contribuição de acordo com a sua riqueza".

Com Lusa

  • Novo imposto para imóveis acima dos 500 mil euros

    Economia

    O Governo vai avançar com um novo imposto em 2017. É uma informação que está a ser avançada pelo Jornal de Negócios. Trata-se de um imposto sobre o património imobiliário que vai ser aplicado para além do IMI. Destina-se a casas de valor superior a 500 mil euros. O PS e o Bloco de Esquerda prometem para esta quinta-feira mais explicações sobre a medida que vai constar na proposta do Orçamento do estado para o próximo ano.

  • Impostos indiretos vão mesmo aumentar
    2:28

    Economia

    O Governo vai mesmo aumentar os impostos indiretos no próximo ano. Esta quarta-feira, no Parlamento, Mário Centeno garantiu que vai continuar a reduzir o IRS. Contudo, terá de subir outros impostos, como por exemplo, sobre os combustíveis, tabaco e álcool. Já o IVA permanece intocável.

  • Governo garante não mexer no IVA

    Economia

    O Governo garantiu que não vai mexer no IVA, no âmbito do Orçamento do Estado para 2017, afirmando que haverá uma recomposição do esforço fiscal concretizada com uma redução dos impostos diretos contrabalançada com impostos indiretos.

  • Vários mortos em avalancha em Itália

    Mundo

    Várias pessoas morreram numa avalanche que atingiu um hotel numa estação de esqui na montanha de Gran Sasso, Itália. As equipas de socorro conseguiram resgatar duas pessoas, mas admitem ainda a existência de quase 30 mortos.

    Em desenvolvimento

  • Mortágua acusa PSD de andar a brincar com a vida das pessoas
    0:47

    Opinião

    No Esquerda/Direita da SIC Notícias, António Leitão Amaro reafirmou ontem à noite que o PSD não é contra o aumento do salário mínimo mas contra a descida da TSU. Já Mariana Mortágua acusou os sociais-democratas de andar a brincar com a vida dos portugueses.

  • Temperaturas negativas congelam rio em Bragança
    1:26

    País

    As baixas temperaturas os últimos dois dias, com as mínimas a descer até aos 10 graus negativos durante a noite e madrugada, congelaram o rio que atravessa a aldeia de Gimonde, no concelho de Bragança. O repórter da SIC João Faiões esteve esta manhã no local.

  • Pelo menos 30 mortos e 75 feridos em incêndio e derrocada de edifício em Teerão

    Mundo

    Pelo menos 30 bombeiros morreram esta quinta-feira e cerca de 75 pessoas ficaram feridas em Teerão, quando um edifício de 17 andares ruiu depois de ser consumido pelas chamas, noticiaram os meios de comunicação estatais iranianos. O edifício "Plasco" situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado.

    Em desenvolvimento

  • Os finalistas do Carro do Ano 2017 são...
    0:53

    Economia

    São sete os escolhidos pelos jurados do Carro do Ano, iniciativa do Expresso e da SIC Notícias. À final chegaram o Citroen C3 Pure Tech, o Hyundai IONIQ Hybrid Tech, da Kia o novo modelo Optima Sportwagon 1.7 CRDi GT Line, o Peugeot 3008 Allure 1.6 BlueHdi, o Renault Mégane Sport Tourer Energy dCI, o SEAT Ateca 1.6 TDI CR Style e ainda o Volvo V90.

  • Feriado no Carnaval e fim das pontes chumbados
    2:15

    País

    Nem o Carnaval vai passar a ser feriado, nem as pontes vão acabar. O PS rejeitou esta quarta-feira no Parlamento uma proposta do PSD para que os feriados a meio da semana sejam gozados na segunda-feira seguinte. Ao mesmo tempo, os socialistas recusaram duas propostas apoiadas pelos partidos de esquerda, para que o Carnaval passasse a ser sempre feriado.

  • As alterações na carta de condução que ajudam a poupar
    6:16