sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas avisa que riscos de financiamento podem aumentar no médio prazo

A Comissão Europeia avisou esta segunda-feira que os riscos de financiamento de Portugal podem aumentar no médio prazo, devido à volatilidade do mercado, que está atento às contas públicas e à economia portuguesas, bem como a 'almofadas' financeiras cada vez menores.

"Os riscos para o financiamento e a capacidade de pagar são geríveis no curto prazo, mas as condições de mercado mais voláteis que se verificaram recentemente demonstraram a posição vulnerável de Portugal num cenário mais adverso", afirma Bruxelas.

Num relatório divulgado esta segunda-feira, sobre a quarta missão de monitorização pós-programa a Portugal, que decorreu no final de junho, a Comissão afirma que as operações de refinanciamento de Portugal "continuam altamente vulneráveis ao sentimento do mercado, que pode ser revertido no caso de atrasos na consolidação orçamental, nas reformas estruturais ou na reversão de medidas políticas".

Bruxelas admite ainda que, "à medida que as almofadas financeiras diminuem e que as taxas de juro permanecem voláteis, os riscos para o financiamento podem aumentar no médio prazo".

A Comissão lembra que a 'almofada financeira' deste ano, de cerca de 6.500 milhões de euros (o relatório assume dados disponíveis até meados de julho), está "em linha com os valores de 2015", mas que está "muito abaixo" do valor do fim do programa de assistência, admitindo que esses valores "diminuam para cerca de 4.500 milhões de euros em 2019".

Sobre a capacidade de o país conseguir pagar os seus empréstimos, Bruxelas afirma que, "em última análise", ela depende de o Governo "cumprir os seus compromissos e de tomar todas as medidas necessárias para resolver quaisquer problemas da banca".

Na análise à sustentabilidade da dívida portuguesa, Bruxelas prevê uma descida "moderada no curto e médio prazo", mas avisa que continuará "num nível elevado e vulnerável a choques macroeconómicos e do mercado financeiro".

Por outro lado, "uma trajetória sólida de redução do rácio da dívida face ao PIB pode ser alcançada através da manutenção da disciplina orçamental no médio e longo prazo", afirma.

"Além disso, um caminho sólido de redução articula-se com um crescimento económico sustentado a médio e longo prazo, o que demonstra a necessidade de continuar com a implementação de reformas estruturais", defende.

Lusa

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Rui Patrício confirmado no Wolverhampton

    Desporto

    O Wolverhampton anunciou esta segunda-feira a contratação do guarda-redes Rui Patrício, depois da rescisão com o Sporting. O guarda-redes da seleção nacional assinou contrato com o clube inglês por quatro épocas.

    SIC

  • Novo treinador do Sporting diz que mulheres não estão preparadas para falar de futebol
    1:23
  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Merkel tem duas semanas para negociar solução para crise migratória

    Mundo

    A chanceler alemã tem duas semanas para negociar com os parceiros europeus uma solução para a questão migratória e assim evitar uma crise política. O ultimato foi dado pelo CSU, o partido da Baviera que integra a coligação governamental. Ao contrário de Angela Merkel, defende uma política para os refugiados mais estrita.

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC