sicnot

Perfil

Economia

Centeno escreve carta aos eurodeputados com argumentos contra congelamento de fundos

Mário Centeno pede aos eurodeputados que aconselhem a Comissão a não avançar com o congelamento de fundos a Portugal. Na carta enviada ao Parlamento Europeu, o ministro das Finanças diz que a suspensão parcial de fundos teria efeitos negativos no crescimento e, consequentemente, nas contas públicas.

Na carta a que a SIC teve acesso, Mário Centeno explica que o congelamento de fundos teria consequências mais negativas do que a aplicação de uma multa. E argumenta que, se os esforços de Portugal foram suficientes para cancelar a multa, então também devem ser suficientes para evitar a suspensão parcial de fundos.

O ministro diz ainda que a mera possibilidade de uma suspensão teria efeitos negativos no investimento, no crescimento e na solidez das contas públicas. E adianta que tornaria mais difícil o cumprimento do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

O documento enviado aos eurodeputados das comissões de assuntos económicos e do desenvolvimento regional termina com um pedido. Diz Centeno que "o Parlamento Europeu está numa posição chave para aconselhar a Comissão Europeia a fazer uma proposta de não imposição de qualquer suspensão de Fundos.

  • Governo argumenta contra congelamento de fundos comunitários
    0:55

    Economia

    O ministro das Finanças Mário Centeno enviou uma carta aos eurodeputados que vão participar no diálogo com a Comissão Europeia sobre o congelamento de fundos estruturais. O documento inclui argumentos contra a suspensão parcial em 2017. A secretária de Estado dos Assuntos Europeus diz que o Governo português está disponível para dar mais esclarecimentos ao Parlamento Europeu.

  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26