sicnot

Perfil

Economia

Acionistas do BPI reúnem-se hoje após nova proposta para desbloquear futuro do banco

Os acionistas do BPI voltam hoje a reunir-se, poucas horas após a administração ter feito uma nova proposta aos parceiros angolanos que pode abrir caminho ao fim da limitação dos votos e ao sucesso da OPA do CaixaBank.

A reunião magna de hoje, no Porto, tem em vista discutir o fim da regra dos estatutos do BPI que impede um acionista de votar com mais de 20%, independentemente da sua participação social - o que impossibilita o espanhol CaixaBank de fazer uso da totalidade dos seus 45% de participação social.

Esta é a terceira convocatória para a assembleia-geral depois das suspensões dos encontros de julho e do início de setembro, devido a providências cautelares colocadas pela 'holding' Violas Ferreira, o maior acionista português do BPI, com 2,67%.

Estas ações judiciais fizeram com que, nos últimos dois meses, o banco tivesse imergido num imbróglio jurídico, que impediu os acionistas de tomarem decisões e criou muita incerteza sobre o futuro.

Para a assembleia-geral de hoje a expectativa é a de que haja desenvolvimentos, sobretudo depois de na terça-feira à noite - poucas horas antes do início do encontro - o BPI ter comunicado ao mercado que propôs à Unitel (empresa de Isabel dos Santos, com quem tem em Angola o BFA) a venda de 2% do Banco Fomento de Angola (BFA) por 28 milhões de euros, ficando acionista minoritário daquele banco. Contudo, o BPI faz depender essa proposta do fim da limitação à contagem dos votos existente.

Atualmente, o BPI detém 50,1% do capital do BFA, enquanto a Unitel é dona de 49,9%.

Já este fim de semana houve também uma mudança de posição do Grupo Violas, com o administrador Tiago Violas Ferreira a dizer em entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios que o grupo não se oporá mais à Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelo espanhol CaixaBank.

Na questão do fim dos limites de votos, até agora, o grupo da família Violas tinha estado alinhado com a 'holding' angolana Santoro (segundo maior acionista do BPI, com 18,6%) contra a alteração dos estatutos.

Já o CaixaBank defende essa alteração e é mesmo uma das condições para avançar com a OPA, no que é apoiado pelo Conselho de Administração do BPI, liderado por Artur Santos Silva.

A questão da desblindagem de estatutos tornou-se um assunto maior no BPI devido à 'guerra' que tem oposto os principais acionistas, o espanhol CaixaBank e a angolana Santoro, de Isabel dos Santos, que não se entendem quer na redução da exposição do banco a Angola, obrigatória pelo Banco Central Europeu, quer numa estratégia para futuro do banco.

O Público noticiou recentemente que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) questionou o CaixaBank sobre o acordo feito com o Governo de Angola para uma linha de crédito de 400 milhões de euros, notícia avançada pela Lusa. O objetivo do regulador dos mercados financeiros é o de se assegurar que esta operação não tem nada que ver com o BPI.

O maior acionista do BPI é o banco espanhol CaixaBank, com 45,50%, e o segundo maior acionista é a Santoro, com 18,6%, os quais se relacionam com os 2,28% que o Banco BIC tem no BPI, uma vez que ambas as empresas têm Isabel dos Santos como acionista de referência.

Já a seguradora Allianz tem 8,27% e a família Violas 2,67%.

As ações do BPI fecharam na terça-feira a cair 0,37% para 1,09 euros.

Lusa

  • O resgate dos passageiros do naufrágio em Cascais
    1:48
  • É importante que "as pessoas não tenham medo" de denunciar o tráfico humano
    0:48

    País

    Manuel Albano, relator nacional para o tráfico de pessoas, concorda com a ideia de que é necessário continuar a investir na inspeção e na fiscalização para travar o tráfico de seres humanos, mas rejeita a denúncia do sindicato dos trabalhadores do SEF, que esta quinta-feira alertou para a "falta de controlo".

  • Trocar a economia pela dança
    7:21
  • Salas de consumo assistido previstas na lei há 17 anos
    3:01
  • O que faz um guaxinim às duas da manhã num quartel de bombeiros?

    Mundo

    Os animais são muitas vezes os protagonistas de histórias incríveis ou até insólitas. Desde o cão mais pequeno ao urso mais assustador. Desta vez, o principal interveniente é um guaxinim, que foi levado até um quartel de bombeiros por uma dona muito preocupada. Porquê? O animal estava sob o efeito de drogas.

    SIC

  • "Por vezes até as princesas da Disney ficam apavoradas"

    Mundo

    A atriz norte-americana Patti Murin foi esta semana elogiada nas redes sociais por se preocupar com a sua saúde mental e não ter problemas em falar sobre o assunto. A artista faltou a um espetáculo da Disney, onde ia atuar, devido a um ataque de ansiedade.

    SIC

  • Presidente do Uganda quer proibir sexo oral

    Mundo

    O Presidente do Uganda emitiu um aviso público durante um conferência de imprensa anunciando que vai banir a prática de sexo oral no país. Yoweri Museveni justifica o ato, explicando que "a boca serve para comer".

    SIC