sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas regressa a proposta de roaming sem limites

A Comissão Europeia voltou hoje à proposta de uma utilização de roaming sem limites no espaço da União Europeia (UE), mantendo salvaguardas para as operadoras.

"Não iremos impor quaisquer limites na duração ou no número de dias que podem usados [pelos viajantes] sem taxas de roaming, mas decidimos impor salvaguardas claras no que respeita à residência", disse o comissário europeu para o Mercado Único Digital, Andrus Ansip.

Sublinhando que "o roaming é para os viajantes", Bruxelas quer, numa proposta formal a apresentar em dezembro, prever "salvaguardas contra abusos baseados na residência ou ligações permanentes a um país da UE".

Assim, as operadoras poderão - entre outras medidas - comparar o tráfego doméstico ao de roaming ou a subscrição e uso sequencial de múltiplos cartões SIM pelo mesmo cliente em roaming.

A primeira proposta apresentada pela 'Comissão Juncker' no passado dia 06 previa um limite de 90 dias por ano ao uso do roaming sem taxas adicionais.

Hoje, na reunião do colégio de comissários, foi discutida um projeto de proposta que permita aos viajantes de um Estado-membro usarem o seu cartão SIM noutro país do bloco europeu nas mesmas condições em que o fariam em casa.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18