sicnot

Perfil

Economia

Economia mundial abranda crescimento para 2,3% em 2016

A Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) prevê que a economia mundial abrande para 2,3% este ano, antecipando também que a zona euro reduza a sua expansão económica para 1,6% este ano.

"O abrandamento do crescimento global, agora no seu sexto ano consecutivo, e o falhanço das economias mais avançadas em aumentar a procura e a produtividade e atingir remunerações mais justas pode intensificar-se por causa dos crescentes riscos nos países em desenvolvimento", diz a UNCTAD.

No seu relatório de 2016 sobre o Comércio e Desenvolvimento, os economistas alertam para a 'politização' de grandes acordos transfronteiriços, como o Tratado Transatlântico de Investimento (TTIP), que "não está a conseguir fornecer uma solução, e o protecionismo está a regressar como instrumento de política externa".

Num relatório em que é criticado o facto de uma parte do crescimento dos países menos desenvolvidos ser alcançado à custa de indicadores financeiros e em setores que não contribuem diretamente para a melhoria de vida dos cidadãos, como a exploração de recursos naturais, chama-se ainda a atenção para a importância "da manufação e de crescimento sustentado e inclusivo nos países em desenvolvimento e para os perigos da vertente financeira enfraquecer o clima de investimento"

"Os decisores políticos em todo o mundo enfrentam uma difícil combinação de fraco investimento, abrandamento na produtividade, comércio em estagnação, aumento da desigualdade e 'montanhas' de dívida", sintetiza o secretário-geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi, numa declaração que acompanha a divulgação do documento.

"As soluções requerem um pensamento ambicioso, e não uma reação tépida de 'mais do mesmo', acrescenta o responsável.

O relatório conclui, ao longo de 252 páginas, que "a falta de procura global e a estagnação do nível de rendimentos são os principais problemas para o abrandamento no comércio internacional" e alerta que "se os decisores políticos falharem no combate aos efeitos negativos das incontroláveis forças de mercado, então um regresso ao protecionismo pode desencadear um círculo vicioso negativo que afetará toda a gente".

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.