sicnot

Perfil

Economia

Economia mundial abranda crescimento para 2,3% em 2016

A Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) prevê que a economia mundial abrande para 2,3% este ano, antecipando também que a zona euro reduza a sua expansão económica para 1,6% este ano.

"O abrandamento do crescimento global, agora no seu sexto ano consecutivo, e o falhanço das economias mais avançadas em aumentar a procura e a produtividade e atingir remunerações mais justas pode intensificar-se por causa dos crescentes riscos nos países em desenvolvimento", diz a UNCTAD.

No seu relatório de 2016 sobre o Comércio e Desenvolvimento, os economistas alertam para a 'politização' de grandes acordos transfronteiriços, como o Tratado Transatlântico de Investimento (TTIP), que "não está a conseguir fornecer uma solução, e o protecionismo está a regressar como instrumento de política externa".

Num relatório em que é criticado o facto de uma parte do crescimento dos países menos desenvolvidos ser alcançado à custa de indicadores financeiros e em setores que não contribuem diretamente para a melhoria de vida dos cidadãos, como a exploração de recursos naturais, chama-se ainda a atenção para a importância "da manufação e de crescimento sustentado e inclusivo nos países em desenvolvimento e para os perigos da vertente financeira enfraquecer o clima de investimento"

"Os decisores políticos em todo o mundo enfrentam uma difícil combinação de fraco investimento, abrandamento na produtividade, comércio em estagnação, aumento da desigualdade e 'montanhas' de dívida", sintetiza o secretário-geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi, numa declaração que acompanha a divulgação do documento.

"As soluções requerem um pensamento ambicioso, e não uma reação tépida de 'mais do mesmo', acrescenta o responsável.

O relatório conclui, ao longo de 252 páginas, que "a falta de procura global e a estagnação do nível de rendimentos são os principais problemas para o abrandamento no comércio internacional" e alerta que "se os decisores políticos falharem no combate aos efeitos negativos das incontroláveis forças de mercado, então um regresso ao protecionismo pode desencadear um círculo vicioso negativo que afetará toda a gente".

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.