sicnot

Perfil

Economia

Economia mundial abranda crescimento para 2,3% em 2016

A Conferência das Nações Unidas para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) prevê que a economia mundial abrande para 2,3% este ano, antecipando também que a zona euro reduza a sua expansão económica para 1,6% este ano.

"O abrandamento do crescimento global, agora no seu sexto ano consecutivo, e o falhanço das economias mais avançadas em aumentar a procura e a produtividade e atingir remunerações mais justas pode intensificar-se por causa dos crescentes riscos nos países em desenvolvimento", diz a UNCTAD.

No seu relatório de 2016 sobre o Comércio e Desenvolvimento, os economistas alertam para a 'politização' de grandes acordos transfronteiriços, como o Tratado Transatlântico de Investimento (TTIP), que "não está a conseguir fornecer uma solução, e o protecionismo está a regressar como instrumento de política externa".

Num relatório em que é criticado o facto de uma parte do crescimento dos países menos desenvolvidos ser alcançado à custa de indicadores financeiros e em setores que não contribuem diretamente para a melhoria de vida dos cidadãos, como a exploração de recursos naturais, chama-se ainda a atenção para a importância "da manufação e de crescimento sustentado e inclusivo nos países em desenvolvimento e para os perigos da vertente financeira enfraquecer o clima de investimento"

"Os decisores políticos em todo o mundo enfrentam uma difícil combinação de fraco investimento, abrandamento na produtividade, comércio em estagnação, aumento da desigualdade e 'montanhas' de dívida", sintetiza o secretário-geral da UNCTAD, Mukhisa Kituyi, numa declaração que acompanha a divulgação do documento.

"As soluções requerem um pensamento ambicioso, e não uma reação tépida de 'mais do mesmo', acrescenta o responsável.

O relatório conclui, ao longo de 252 páginas, que "a falta de procura global e a estagnação do nível de rendimentos são os principais problemas para o abrandamento no comércio internacional" e alerta que "se os decisores políticos falharem no combate aos efeitos negativos das incontroláveis forças de mercado, então um regresso ao protecionismo pode desencadear um círculo vicioso negativo que afetará toda a gente".

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.