sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas analisa informação enviada por ex-comissária sobre documentos das Bahamas

A Comissão Europeia vai analisar as informações prestadas pela ex-comissária europeia Neelie Kroes, que terá administrado uma empresa sediada numa offshore, nas Bahamas, entre 2000 e 2009, em violação do código de conduta do executivo comunitário.

"Vamos analisar e verificar a informação antes de fazermos quaisquer comentários", disse, na conferência de imprensa diária, o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

A ex-comissária europeia já fez chegar a Bruxelas esclarecimentos sobre as suas atividades como administradora de uma sociedade offshore sediada nas Bahamas, entre 4 de julho de 2000 e 1 de outubro de 2009, quando tinha a pasta da Concorrência, na Comissão Barroso.

Neelie Kroes violou o código de conduta dos comissários europeus pelo simples facto de não ter comunicado esta atividade na declaração de interesses.

Novas revelações feitas sobre praças financeiras offshore, desta vez sobre as Bahamas, em particular sobre administradores de empresas aqui sediadas, indicam a presença de 28 portugueses, uma ex-vice-presidente da Comissão Europeia e uma ministra britânica.

A informação, disponibilizada em Portugal nos sites do Expresso e da TVI, respeita a "1,3 milhões de ficheiros relativos a 176 mil companhias e incluem os nomes de 25 mil administradores e funcionários nomeados por essas (sociedades) offshore ao longo dos anos", indicou o semanário.

Os dados foram recebidos pelo jornal alemão Suddeutsche Zeitung e o Consórcio Internacional dos Jornalistas de Investigação, baseado em Washington, que os estão a divulgar na internet.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras