sicnot

Perfil

Economia

Costa lembra que Passos defendeu maior taxação sobre património e imóveis de luxo

O primeiro-ministro, António Costa, disse esta quinta-feira que o presidente do PSD defendeu em 2014 a taxação sobre património e imóveis de luxo, considerando então que este era "um bom princípio social-democrata".

"É tão evidente que até o doutor Pedro Passos Coelho estava de acordo", afirmou António Costa, que falava no parlamento sobre um debate que tem marcado a agenda política nos últimos dias, a eventual criação de um imposto sobre o património imobiliário a incluir no Orçamento do Estado (OE) para 2017.

Costa respondia a perguntas da coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, e - definindo-se como um "moderado social-democrata desde os 14 anos" -, aproveitou para recordar palavras do líder do PSD, e ex-primeiro-ministro, proferidas em 2014 num congresso do PSD.

Já Catarina Martins teceu palavras sobre o que diz ser a "desculpa de sempre" da direita quando se avançam impostos sobre património ou imóveis de luxo: "É sempre assim. Sempre que há uma medida para combater privilégios, a direita dirá que isso faz perder investimento. É a desculpa de sempre".

O chefe do Governo criticou também PSD e CDS-PP por agora se mostrarem preocupados com, por exemplo, uma eventual quebra no investimento, mas terem sido os partidos "que mais aumentaram a carga fiscal sobre a classe média e sobre o património imobiliário".

"Não podemos aumentar a carga fiscal, mas temos de ter uma maior justiça na distribuição da carga fiscal", advertiu o primeiro-ministro.

E concretizou: "Há outras fontes de rendimento, outras formas de tributação que têm de ter maior peso para que possamos ter menor tributação nos rendimentos do trabalho.".

A coordenadora do Bloco reiterou ainda na sua intervenção em plenário a defesa do partido por um "aumento real das pensões" no Orçamento para 2017, declarando ainda que o documento está a ser negociado e os bloquistas bater-se-ão pelas suas ideias junto do Governo e do PS.

Lusa

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.