sicnot

Perfil

Economia

Isabel dos Santos saúda acordo no BPI e garante "idoneidade" da Santoro

A empresária angolana Isabel dos Santos saudou hoje "a solução encontrada para resolver a situação" no BPI na assembleia geral de quarta-feira, considerando que "mostra o sentido de compromisso e responsabilidade que sempre orientou a atuação da Santoro".

"Desde o início, conduzimos este processo com idoneidade e transparência, de forma a responder aos interesses de todas as partes envolvidas", refere a líder da Santoro Finance - que é o segundo maior acionista do BPI, com 18,6% - numa declaração escrita hoje divulgada.

No documento, a filha do presidente José Eduardo dos Santos diz estarem agora "reunidas as condições para que ambas as instituições, o BPI e o BFA [Banco Fomento de Angola], consolidem a sua posição nos mercados português e angolano, contribuindo para o crescimento das economias de ambos os países".

Informações recolhidas pela agência Lusa à margem da reunião magna de acionistas do BPI, que na quarta-feira decorreu no Porto, indicam que a 'holding' Santoro, que até aqui se tinha oposto à alteração dos estatutos do banco com vista ao fim do limite aos direitos de voto, se absteve na votação que acabou por aprovar a desblindagem dos estatutos.

Com a desblindagem foi eliminado o limite de 20% que existia nos direitos de voto dos acionistas do BPI e que, até então, impediam que o espanhol CaixaBank votasse com os 45,50% do capital do banco que efetivamente detinha.

Na sequência da desblindagem, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) determinou na quarta-feira, pouco depois da assembleia geral, a obrigatoriedade de o CaixaBank lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital do BPI.

Em cima da mesa desde abril estava já uma OPA sobre o banco português por parte do banco catalão, cuja manutenção estava precisamente dependente do fim da limitação aos direitos de voto no BPI, sendo que no início da noite passada o CaixaBank anunciou uma revisão em alta do preço inicial oferecido, de 1,113 euros para 1,134 euros por ação.

Atualmente o maior acionista do BPI é o CaixaBank, com 45,50%, e o segundo maior acionista é a Santoro, com 18,6%, os quais se relacionam com os 2,28% que o Banco BIC tem no BPI, uma vez que ambas as empresas têm Isabel dos Santos como acionista de referência.

Já a seguradora Allianz tem 8,27% e a família Violas 2,67%.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.