sicnot

Perfil

Economia

Economia de Angola estagnada este ano e cresce menos de 4% ao ano até 2020

A agência de notação financeira Fitch prevê que o crescimento económico de Angola desça de 3,3% em 2015 para 0% este ano, antecipando também que o país cresça menos de 4% ao ano até final da década.

No relatório que dá conta da descida do rating para B, a Fitch prevê que Angola cresça 0% este ano, acelerando para 3,5% e 3% nos dois anos seguintes, e sempre abaixo de 4% até ao final da década.

Na última ação de rating sobre Angola, em março, a Fitch tinha já descido a Perspetiva de Evolução da avaliação da dívida soberana do país para "Negativa", o que já perspetiva a descida da avaliação da qualidade do crédito num nível, face ao anterior B+, divulgada na sexta-feira ao final do dia, conforme avaliação programada.

No relatório desta avaliação, a agência recorda que Angola continua a sofrer o "severo choque petrolífero", tendo em conta que 95% das exportações angolanas são petróleo e que metade das receitas fiscais do país provém dessas vendas, as quais caíram fortemente desde o final de 2014, com a baixa da cotação internacional do barril de crude.

"O potencial de crescimento a médio prazo é sustentado pelos vastos recursos naturais do país e pelo crescimento da base de consumidores", diz a agência, acrescentado que a produção de petróleo deve manter-se estável nos 1,8 milhões de barris por dia até 2020.

No entanto, sublinham, "as deficiências institucionais e um ambiente de negócios muito fraco vão continuar a ser grandes constrangimentos no desenvolvimento dos setores não petrolíferos".

O relatório, que salienta o mau momento económico de Angola, nota que "o setor petrolífero mantém algum dinamismo (a produção chegou em média aos 1,76 milhões de barris por dia em 2016)", mas a Fitch espera que a economia estagne em 2016, "descendo dos 3% em 2015 e com a pior performance em 14 anos (desde 2002, fim da guerra civil)", lê-se no documento.

A agência de rating prevê ainda uma inflação média de 30% para 2016, abaixo da previsão de 38,5% definida pelo Governo e dos 38,1% já atingidos em agosto (a um ano) último. Igualmente mais otimista é a previsão de défice das contas públicas, que se cifra em 5,8% do PIB em 2016, contra os 6,8% que o Governo definiu no OGE revisto.

No relatório, a agência de rating diz ainda que o facto de mais de 40% da dívida pública ser em moeda estrangeira "expõe o peso da dívida a uma depreciação maior da taxa de câmbio", o que dificulta os pagamentos.

Por outro lado, "os pagamentos de juros em percentagem das receitas também deverão aumentar fortemente para mais de 14%, o dobro dos níveis do ano passado", e é também provável que o crédito mal parado, que no primeiro trimestre estava quase nos 20%, suba ainda mais.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.