sicnot

Perfil

Economia

Pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram 1.157 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram 1.157 milhões de euros até agosto, mais 17 milhões do que em julho e mais 60 milhões do que no mesmo período do ano passado, divulgou esta segunda-feira a DGO.

Na síntese de execução orçamental até agosto divulgada hoje, a Direção-Geral de Orçamento (DGO) afirma que esta subida mensal do montante das dívidas da Administração Pública por pagar há mais de 90 dias é "essencialmente explicada pelos hospitais EPE, que registaram um aumento de 38 milhões de euros, tendo sido parcialmente compensada pela diminuição de 15 milhões de euros registados na Administração Local".

Nos hospitais EPE, os pagamentos em atraso totalizaram 713 milhões de euros em agosto, um aumento de 38 milhões face ao mês anterior e de 244 relativamente a agosto do ano passado.

Na Administração Local, o montante das dívidas por pagar atingiu 208 milhões de euros, menos 15 milhões de euros do que o verificado em julho e uma redução de 68 milhões face a agosto de 2015.

Na semana passada, a Comissão Europeia deixou um alerta face ao aumento dos pagamentos em atraso no setor público, sobretudo na saúde, considerando que é um dos riscos à execução orçamental para o conjunto deste ano.

A dívida não financeira total das administrações públicas, ou seja, toda a despesa efetuada e não paga e onde se incluem as dívidas por pagar há mais de 90 dias, registou uma redução de 87 milhões de euros em agosto face ao mês anterior, cifrando-se nos 2.369 milhões de euros.

Este decréscimo é explicado pelas reduções registadas na Administração Local (-48 milhões de euros), na Administração Regional (-26 milhões de euros) e na Administração Central (-13 milhões de euros), segundo a DGO.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.