sicnot

Perfil

Economia

Suspensão de fundos a Portugal e Espanha com data marcada na agenda europeia

AP

ASSOCIATED PRESS

O Parlamento Europeu e a Comissão Europeia começam a debater o suspensão de fundos a Portugal e Espanha no próxima segunda-feira, 3 de Outubro. A primeira audição será pública e vai decorrer em Estrasburgo.

O diálogo estruturado está marcado para as 17:00, e durante duas horas os eurodeputados vão poder debater qual deve ser o valor da suspensão de fundos estruturais e de investimento a aplicar aos dois países ibéricos.

Do lado da Comissão devem participar no diálogo o vice-presidente da Comissão Jyrki Katainen e a comissária Corine Cretçu.

O congelamento para 2017 poderá chegar aos 0,5% do PIB, ou ser reduzido tendo em conta a situação económica e social de Portugal e de Espanha.

Após o diálogo com o Parlamento, a Comissão terá de avançar com uma proposta de suspensão de fundos que será aplicada caso os dois países voltem a falhar as metas do défice este ano.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.