sicnot

Perfil

Economia

Brasil cai mais seis posições no índice da competitividade

O Brasil caiu este ano seis posições no ranking mundial da competitividade do Fórum Económico Mundial, divulgado esta quarta-feira, depois de no ano passado já ter registado uma queda de 18 lugares.

De acordo com dados do Relatório Global de Competitividade (2016-2017) do Fórum Económico Mundial, hoje divulgado, o Brasil surge este ano na 81.ª posição do índice, que abrange 138 países, quando no ano passado estava no 75.º lugar entre 140 países.

No entanto, mantém-se inalterada, em 4,1 pontos, a pontuação do país no índice - que avalia 12 pilares, como educação, mercado financeiro ou inovação, com classificações de 1 a 7.

"No contexto do impacto negativo dos choques económicos e instabilidade política, o Brasil cai seis posições, para o 81.º lugar. Isto deve-se sobretudo à deterioração dos mercados de mercadorias, laboral e financeiro", pode ler-se no relatório do Fórum Económico Mundial.

Também no pilar 'Instituições', "a segurança deteriorou-se, assim como a perceção da qualidade da administração do setor público", acrescentam os autores do documento.

Não obstante, o Brasil melhorou em áreas como a proteção dos direitos de propriedade e nas medidas contra o tráfico de influências.

"A recuperação após a dura queda do ano passado reflete provavelmente a luta contra a corrupção e a independência judicial" no Brasil, cuja incerteza política e situação financeira difícil "impedem a consolidação de uma agenda de competitividade pró-crescimento na maior economia da América Latina e Caraíbas".

Os analistas do Fórum Económico Mundial recordam que o Brasil vive atualmente um período de recessão, com taxas de crescimento económico que passaram de uma média de 4,5% entre 2006 e 2010 para 2,1% entre 2011 e 2014, segundo o Banco Mundial.

Para 2015 e 2016, as previsões apontam para crescimento negativo.

Segundo o Inquérito de Opinião dos Empresários, realizado junto de mais de 14 mil líderes empresariais em matérias relacionadas com a competitividade nacional, os fatores percecionados como mais problemáticos quando se faz negócios com o Brasil são a taxa fiscal (15,9%), a corrupção (13,6%), a regulação fiscal (12,5%) e a burocracia (11,9%).

Com 138 países analisados, o índice mundial de competitividade é liderado pela Suíça, com 5,81 pontos, Singapura (5,72) e Estados Unidos (5,70).

Entre os últimos surgem o Iémen (2,74 pontos), a Mauritânia (2,94) e o Chade (2,95).

O Relatório Global de Competitividade (2016-2017) do Fórum Económico Mundial é hoje apresentado em Lisboa pela PROFORUM, Associação para o Desenvolvimento da Engenharia, e pelo FAE, Forum de Administradores e Gestores de Empresas, numa sessão pública na AESE Business School.

A PROFORUM, a FAE e a AESE realizam em Portugal o Inquérito de Opinião dos Empresários para o Fórum Económico Mundial.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC