sicnot

Perfil

Economia

Lagarde afirma que o crescimento mundial continua fraco e ameaçado por protecionismo

O crescimento mundial continua "muito fraco" e desigual, havendo ainda o risco de um regresso ao protecionismo, "uma receita económica do passado" que fracassou, afirmou esta quarta-feira Christine Lagarde, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Restringir o comércio e limitar a abertura económica vai levar certamente a um agravamento das perspetivas do crescimento mundial, nomeadamente para os mais vulneráveis", declarou a diretora-geral do FMI, numa altura em que o protecionismo ganha terreno na Europa e nos Estados Unidos.

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, tem defendido um restabelecimento das barreiras comerciais e a decisão britânica de deixar a União Europeia também suscita receios de um isolamento económico.

"Se voltarmos as costas ao comércio, vamos sufocar um dos principais motores do crescimento num momento em que a economia mundial precisa de dados positivos", afirmou Lagarde, numa intervenção em Chicago, a uma semana da abertura da reunião anual FMI-Banco Mundial.

Lagarde afirmou que os ganhos do comércio e da globalização devem ser partilhados de forma diferente. "Continuamos a ser confrontados desde há muito tempo com um crescimento mundial muito fraco e que favorece muito poucas pessoas", apontou.

Segundo a diretora-geral do FMI, os trabalhadores afetados pela globalização devem ser ajudados e o crescimento deve ser "repensado" para travar a "subida das desigualdades", particularmente nos países ricos.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.