sicnot

Perfil

Economia

Air Berlim reduz frota e despede 1.200 trabalhadores

© Fabrizio Bensch / Reuters

A segunda maior operadora aérea alemã, a Air Berlim, anunciou na quarta-feira um significativo plano de reestruturação que vai reduzir a sua frota e provocar o despedimento de 1.200 pessoas.

Em comunicado, a empresa, que tem acumulado prejuízos, revelou que pretende "concentrar as suas operações principais, enquanto transportadora focada e consagrada a servir mercados de valor elevado, nas duas plataformas essenciais de Berlim e Dusseldorf".

A Air Berlin esclareceu que vai alugar até 40 aviões Airbus 320 à sua rival e maior transportadora aérea alemã, Lufthansa.

"Vão ser precisas menos pessoas. Até 1.200 empregos vão ficar redundantes", especificou a empresa, em comunicado.

A transportadora adiantou que vai ficar a operar uma frota de 75 aviões, a partir de Berlim e Dusseldorf, a partir de meados de 2017. Em junho, a frota era de 144 aparelhos.

Outra novidade é a autonomização do seu negócio turístico, passando-a para uma unidade de negócios independente, enquanto "avalia as opções estratégicas".

Em 2015, a empresa perdeu uma perda recorde de 447 milhões de euros.

A companhia deve a sua sobrevivência a injeções financeiras regulares da Etihad, uma das transportadoras do Golfo Pérsico, que têm tido um crescimento forte, que possui 29,1% do capital.

Lusa

  • 2017 regista o valor mais alto de área ardida da última década
    0:56
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Suspeitas de fraude em matrículas escolares
    2:24

    País

    A Inspeção-Geral de Educação e Ciência (IGAE) abriu uma investigação por suspeitas de fraude nas matrículas, no agrupamento Filipa de Lencastre, em Lisboa. Muitos pais queixam-se de alegadas irregularidades no processo de admissão de vários alunos. Em algumas escolas foi preciso recorrer aos serviços da PSP para acalmar os ânimos. 

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46