sicnot

Perfil

Economia

INE revê em baixa taxa de desemprego de julho e estima 11% para agosto

O desemprego ficou nos 11% em agosto, estima o Instituto Nacional de Estatística. É uma subida, ainda que ligeira, de 0,1 pontos percentuais em relação a julho, cujo valor foi revisto em baixa.

O INE reviu em baixa os valores de julho para 10,9%, face à estimativa inicial de 11,1%. O valor definitivo é o mais baixo desde junho de 2009, altura em que a taxa se fixou nos 10,8%, de acordo com os dados disponíveis na página do INE.

A estimativa provisória da população desempregada em agosto foi de 561,8 mil pessoas e a da população empregada foi de 4.561,9 mil pessoas.

O acréscimo mensal observado na taxa de desemprego resultou assim, de acordo com o INE, do aumento da população desempregada (2,2%) e do decréscimo da população empregada (0,5%).

A taxa de desemprego das mulheres igualou a dos homens (11%), enquanto a dos jovens se situou em 27,9%, um aumento de 0,7 pontos percentuais em relação ao valor definitivo do mês anterior.

Em agosto de 2015, a taxa de desemprego observada foi de 12,3%.

A estimativa definitiva da taxa de desemprego de julho corresponde a uma diminuição de 0,2 pontos percentuais face ao mês anterior, "prosseguindo-se a trajetória descendente que se verifica desde fevereiro de 2016", destaca o INE.

A estimativa definitiva da população desempregada de julho situou-se em 559,8 mil pessoas, tendo diminuído 1% em relação ao mês anterior.

A estimativa definitiva da população empregada de julho foi de 4.568,5 mil pessoas, o que representa um aumento de 0,5% face ao mês anterior (mais 22,5 mil pessoas).

Com Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.