sicnot

Perfil

Economia

INE revê em baixa taxa de desemprego de julho e estima 11% para agosto

O desemprego ficou nos 11% em agosto, estima o Instituto Nacional de Estatística. É uma subida, ainda que ligeira, de 0,1 pontos percentuais em relação a julho, cujo valor foi revisto em baixa.

O INE reviu em baixa os valores de julho para 10,9%, face à estimativa inicial de 11,1%. O valor definitivo é o mais baixo desde junho de 2009, altura em que a taxa se fixou nos 10,8%, de acordo com os dados disponíveis na página do INE.

A estimativa provisória da população desempregada em agosto foi de 561,8 mil pessoas e a da população empregada foi de 4.561,9 mil pessoas.

O acréscimo mensal observado na taxa de desemprego resultou assim, de acordo com o INE, do aumento da população desempregada (2,2%) e do decréscimo da população empregada (0,5%).

A taxa de desemprego das mulheres igualou a dos homens (11%), enquanto a dos jovens se situou em 27,9%, um aumento de 0,7 pontos percentuais em relação ao valor definitivo do mês anterior.

Em agosto de 2015, a taxa de desemprego observada foi de 12,3%.

A estimativa definitiva da taxa de desemprego de julho corresponde a uma diminuição de 0,2 pontos percentuais face ao mês anterior, "prosseguindo-se a trajetória descendente que se verifica desde fevereiro de 2016", destaca o INE.

A estimativa definitiva da população desempregada de julho situou-se em 559,8 mil pessoas, tendo diminuído 1% em relação ao mês anterior.

A estimativa definitiva da população empregada de julho foi de 4.568,5 mil pessoas, o que representa um aumento de 0,5% face ao mês anterior (mais 22,5 mil pessoas).

Com Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.