sicnot

Perfil

Economia

Rússia congratula-se com acordo na OPEP mas não reduz produção

O ministro da Energia russo, Alexandre Novak, disse esta quinta-feira que o acordo alcançado pela Organização de Países Produtores de Petróleo (OPEP) para reduzir a produção é "uma decisão muito positiva", mas que a Rússia não tenciona fazer o mesmo.

"Ontem (quarta-feira) houve uma decisão muito positiva", afirmou, em declarações transmitidas na televisão, acrescentando que o acordo vai ajudar "a reduzir a volatilidade dos preços" e que a Rússia quer manter a produção "no nível atual".

"Tudo dependerá da situação macroeconómica e dos planos das empresas, mas estamos concentrados na manutenção dos níveis de produção atuais", declarou o responsável russo, precisando que se trata de uma "princípio básico que já foi discutido".

Os Estados-membros da OPEP concordaram, em Argel, em reduzir a produção de crude em 750 mil barris por dia.

A decisão foi tomada numa reunião informal da organização, esperando-se que após a reunião da OPEP prevista para novembro em Viena sejam divulgados mais detalhes sobre os objetivos.

A Rússia, um dos principais exportadores de petróleo, não faz parte da OPEP.

Na semana passada, Moscovo anunciou que a sua produção de petróleo atingiu em setembro níveis recorde, ultrapassando 11 milhões de barris por dia.

Segundo Alexandre Novak, a Rússia vai ficar atenta "às propostas que serão examinadas nos próximos meses" e continuar as conversações com outros países, esperando que o preço do barril de petróleo possa estabilizar nos 50-60 dólares "para satisfazer os interesses de produtores e de consumidores".

Lusa

  • OPEP anuncia acordo para limitar produção petrolífera

    Economia

    A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) decidiu impor limites à produção. A consequência deste acordo teve desde logo efeito nos mercados. Os preços do petróleo dispararam. Em Londes, subiram seis e meio por cento e em Nova Iorque cerca de 5%. O acordo para limitar a produção de matérias-primas a 32,5 milhões de barris por dia foi anunciado esta quarta-feira. Um acordo desta natureza não acontecia há oito anos.

  • DIRETO: Célula terrorista preparava grande atentado na Catalunha

    Ataque em Barcelona

    Uma das vítimas mortais do atentado em Barcelona era de Lisboa e há uma outra portuguesa, a sua neta, desaparecida. A polícia procura quatro jovens e há outras quatro detenções confirmadas. Os autores dos ataques na Catalunha, que mataram 14 pessoas e feriram 140, pertenciam ao mesmo grupo. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Vídeo mostra passagem da carrinha a alta velocidade nas Ramblas
    0:33
  • O momento em que os suspeitos foram abatidos em Cambrils
    2:35

    Ataque em Barcelona

    Em Cambrils, também na Catalunha, foram mortos cinco alegados terroristas que atropelaram várias pessoas, uma morreu e seis ficaram feridas, quando escapavam a uma perseguição policial, esta madrugada. As autoridades investigam uma eventual relação entre os dois atentados. Nota: chamamos à atenção para a violência das imagens, que podem chocar os espetadores mais sensíveis.

  • Nível de ameaça terrorista em Portugal continua moderado
    1:31

    Ataque em Barcelona

    O primeiro-ministro garantiu hoje que, para já, o nível de ameaça terrorista em Portugal não vai ser alterado (o nível está no 4 em 5). Já o Presidente da República disse que não há tolerância possível e garante que há medidas preparadas caso o mesmo cenário venha a acontecer em Portugal.

  • Vento e calor provocam reacendimentos em Mação
    1:55

    País

    As temperaturas altas e o vento forte estão a provocar reacendimentos em Mação. No terreno mantêm-se cerca de 800 bombeiros, numa altura que que há receio que as chamas voltem a ficar ativas, como explica o repórter Rui Carlos Teixeira.