sicnot

Perfil

Economia

TAAG aumentará ligações entre Luanda e Portugal com o novo Boeing 777

A transportadora aérea angolana TAAG vai passar a voar duas vezes por dia para Portugal, utilizando para tal o novo avião Boeing 777-300 ER, batizado de "Morro do Moco", que chegou este sábado a Luanda.

Em declarações à agência Lusa à margem da entrega da nova aeronave, o oitavo 777 da frota da companhia de bandeira, três dos quais recebidos desde 2014, o presidente do Conselho de Administração da TAAG, Peter Hill, disse que a nova aeronave, que custou 170 milhões de dólares (151 milhões de euros), vai operar a rota para Portugal.

"Vamos passar a voar duas vezes por dia para Portugal e para isso precisávamos de um segundo avião, que é este. Todos os nossos voos para Portugal serão com este nível de avião, que é muito bom", afirmou.

Entre outras alterações a partir do final de outubro, a TAAG passa a voar 11 vezes por semana para Lisboa (mais quatro voos, à tarde), mantendo três para o Porto, com recurso ao "Morro do Moco" e ao "Iona". Este último é o segundo Boeing 777-300 ER da encomenda de três aeronaves feita em 2012 pelo Estado angolano à construtora norte-americana e que entrou ao serviço em junho último.

"São dois aviões irmãos que vamos utilizar no serviço para Portugal", explicou Peter Hill.

Segundo a empresa, as rotas para Portugal são as mais lucrativas da TAAG, sendo apresentadas como 'premium'.

O primeiro Boeing 777-300 ER desta encomenda chegou a Luanda em 2014.

"A TAAG torna-se, neste momento, a líder africana neste modelo de aeronaves e o programa de reestruturação e de reformas na companhia vai continuar, por forma a tornar a TAAG numa empresa rentável, eficiente, eficaz e que preste bom serviço aos passageiros", destacou o ministro dos Transportes angolano, Augusto da Silva Tomás, presente na receção da nova aeronave, que viajou diretamente dos Estados Unidos para Luanda.

A Lusa noticiou em 31 de agosto que o Estado angolano contraiu um empréstimo intercalar de 153,6 milhões de dólares (136,6 milhões de euros) para garantir a entrega do terceiro avião Boeing 777-300 ER.

De acordo com um despacho assinado pelo Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, que também concede uma garantia soberana à operação, trata-se de um "empréstimo intercalar" concedido pela Boeing Capital Corporation (BCC), justificado pela "necessidade" da "pontualidade da entrega por parte do fabricante".

Trata-se de um empréstimo intercalar, tendo em conta o financiamento previsto pelo Exim Bank (banco de fomento das exportações norte-americanas) para esta aquisição, mas que ainda não estará disponível.

A entrega desta aeronave pela norte-americana Boeing, a última de uma encomenda de três, chegou a ser anunciada para junho passado pelo administrador da companhia aérea de bandeira angolana. Desde então, a TAAG tem vindo a cortar várias ligações menos lucrativas, de forma a reduzir os prejuízos.

Estas aeronaves têm capacidade para transportar 225 passageiros em classe económica, 56 em executiva e 12 em primeira classe, possibilitando o acesso a telemóvel e internet a bordo.

A companhia assegura 31 destinos domésticos e internacionais com recurso a cinco aviões Boeing 737 e oito 777 (200 e 300), incluindo, além de Portugal, Cabo Verde, Moçambique, Brasil e Cuba.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    1:41
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • A SIC visitou os bastidores do Santuário de Fátima
    7:43
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52