sicnot

Perfil

Economia

Concursos de obras públicas sobem 24% até agosto mas contratos celebrados caem 10%

Os concursos de obras públicas promovidos até agosto aumentaram 24% para 1.030 milhões de euros, face ao mesmo período de 2015, mas os contratos celebrados recuaram 10% para 400 milhões de euros, divulgou esta segunda-feira a AICCOPN.

Segundo nota a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) na edição de agosto do seu Barómetro das Obras Públicas, o valor dos contratos resultantes de concursos públicos celebrados nos primeiros oito meses do ano "é 2,6 vezes menor que o volume de concursos de empreitadas de obras públicas promovido desde o início do ano, ou seja, por cada 100 euros de concursos de obras públicas promovidos apenas se celebram contratos no valor de 39 euros".

Considerando apenas o mês de agosto foram publicados em Diário da República anúncios de abertura de concursos de empreitadas de obras públicas no valor de 165 milhões de euros, mais 29 milhões de euros do que o verificado em julho.

De acordo com a associação, os contratos celebrados em resultado de ajustes diretos somaram 313 milhões de euros nos primeiros oito meses do ano, o que representa uma variação positiva de 10% face ao período homólogo de 2015 e responde por "41% de toda a contratação de obras públicas celebrada e registada".

No seu conjunto, os contratos celebrados e reportados até final de agosto totalizam 759 milhões de euros, menos 5% do que no mesmo período do ano anterior.

Lusa

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15